Cannes/Cinema

“O Grande Gatsby” abre oficialmente o Festival de Cannes

Dançarinos fazem performance inspirada no filme O Grande Gatsby na abertura do Festival de Cinema de Cannes.
Dançarinos fazem performance inspirada no filme O Grande Gatsby na abertura do Festival de Cinema de Cannes. REUTERS/Jean-Paul Pelissier

A superprodução “O Grande Gatsby” abriu o Festival de Cannes na noite dessa quarta-feira, 15 de maio. A história dirigida por Baz Luhrmann e estrelada por Leonardo DiCaprio e Carey Mulligan já estreou nos Estados Unidos e chega a Europa com críticas negativas da imprensa, mesmo se foi bem recebida pelo público norte-americano. Os filmes em competição começam a ser projetados nessa quinta-feira. Nenhuma produção brasileira concorre à Palma de Ouro, mas o Brasil participa de mostras paralelas do festival com dois curta-metragens.

Publicidade

Foi sob muita chuva que as estrelas da 7ª arte subiram a escadaria do palácio dos festivais para a abertura do mais famoso evento de cinema do mundo. Nicole Kidman, Cindy Crawford, Julianne Moore, entre outras celebridades, posaram para os fotógrafos antes da projeção de O Grande Gatsby, filme de abertura desta edição. Uma performance de dançarinos, inspirada nos ritmos dos anos 1920, época em que se passa a história dirigida por Baz Luhrmann, também pôde ser vista no tapete vermelho antes da apresentação da superprodução.

Dentro da sala, o cineasta norte-americano Steven Spielberg, que preside o júri desse ano, foi ovacionado pelo público ao subir no palco. O diretor de E.T. fez piada e disse ter crescido com o Festival de Cannes. “Estamos na 66ª edição e eu tenho 66 anos”, brincou.

Após o anúncio da abertura oficial do festival feito por Leonardo DiCaprio, o público assistiu O Grande Gatsby. A megaprodução é uma das estreias mais esperadas do ano na Europa, mesmo que as primeiras críticas não tenham sido tão entusiastas.

Pouco antes da projeção oficial em Cannes, o diretor australiano respondeu às alfinetadas, vindas principalmente de jornalistas norte-americanos, já que o filme estreou nos Estados Unidos na semana passada. “Quando Fitzgerald escreveu esse livro, ele foi chamado de palhaço”, ironizou o diretor, em alusão ao autor da trama que deu origem ao filme. E Luhrmann parece ter razão, pois apesar da rejeição de alguns jornalistas especializados, a nova versão de O Grande Gatsby conta com a adesão do público. A adaptação já é uma das produções mais vistas nos cinemas norte-americanos e gerou uma receita de 50 milhões de dólares em menos de uma semana em cartaz.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.