Sucesso desde o século 19, Catacumbas de Paris aumentam horário de visitação

Áudio 04:52
As Catacumbas de Paris abrigam restos mortais de milhões de parisienses.
As Catacumbas de Paris abrigam restos mortais de milhões de parisienses. Patricia Moribe

Aberto desde o século 19 para a visitação pública, as Catacumbas de Paris são uma das atrações turísticas mais famosas e insólitas da capital francesa. O subsolo de Paris abriga milhões de esqueletos vindos de antigos cemitérios na capital. Em 2013, o local recebeu mais de 310 mil visitantes. Devido às filas intensas de horas de espera, a administração das Catacumbas resolveu estender o período de visitação em três horas por dia.

Publicidade

A visita às Catacumbas acontece a 20 metros da superfície. Um longo corredor atravessa os vestígios do que foram as pedreiras de Paris, conta Sylvie Robin, conservadora-chefe do do departamento arqueológico do museu Carnavalet, sobre a história da capital, e das Catacumbas. Dali saíram as pedras que construíram a cidade, desde a antiguidade.

A entrada do ossuário é marcada por uma frase no portal: “Pare, aqui começa o império da morte”. São 780 metros por galerias onde o visitante passa por paredes montadas com ossos e crânios. Os primeiros vieram do antigo cemitério dos Santos Inocentes, em pleno centro de Paris, que foi fechado em 1780 por motivos sanitários. A principio as ossadas foram transferidas sem qualquer método e simplesmente amontoadas. Depois, adotou-se uma forma mais decorativa nas paredes – e por trás eram jogados aleatoriamente os ossos.

A reurbanização de Paris também trouxe outros milhões de ossos para o subterrâneo de Paris, até 1860. Desde o inicio do século 19, as catacumbas se abrem ao público, atraindo turistas do mundo todo. Atualmente apenas 200 pessoas por dia são admitidas no local. O número aproximado de esqueletos é especulativo, fala-se em restos de seis milhões de pessoas.

Flickr/elprimerpaso.es

Museu "vivo"

A conservação dos ossos é outro desafio enfrentado pela administração das catacumbas, como explica a curadora Sylvie Robin: “Temos um projeto para melhorar a conservação preventiva das ossadas, ou seja, reformar essas paredes de ossadas, muito frágeis. Os ossos vão passar por um tratamento, as paredes vão ser remontadas. Trata-se de matéria que vai se decompondo com o tempo. Também vamos melhorar o trajeto para o visitante, com um piso mais adequado, melhor sinalização e uma iluminação fria, que não estimula a propagação de algas”.

Os curiosos e corajosos que quiserem visitar as Catacumbas de Paris precisam se preparar com sapatos com solas antiderrapantes e agasalho para 14°C. Não há guarda-volumes nem banheiros. A visita é desaconselhada para quem tem problemas respiratórios ou cardíacos e para crianças pequenas.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI