Cinema/Morte

Manoel de Oliveira é enterrado na cidade onde nasceu

Funeral de Manoel de Oliveira foi realizado no Porto, sua cidade natal
Funeral de Manoel de Oliveira foi realizado no Porto, sua cidade natal REUTERS/Eric Gaillard/Files

O cineasta português Manoel de Oliveira, morto nesta quinta-feira (2) aos 106 anos, vai ser enterrado no Porto, sua cidade natal. Várias personalidades, como o presidente de Portugal, Cavaco Silva, e o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, foram à igreja do Cristo Rei, para a cerimônia religiosa.

Publicidade

O velório do cineasta português aconteceu nesta sexta-feira (3) no salão do Convento dos Padres Dominicanos. Mas, a grande homenagem a Manoel de Oliveira virá ainda neste mês com a exibição de um filme inédito. Filmado em 1982, o longa “A Visita ou Memórias e Confissões” é autobiográfico.

A morte do diretor português teve grande repercussão mundial. O ator americano John Malkovich disse nesta sexta-feira que ficou muito emocionado com a morte de Manoel de Oliveira.“Era um exemplo de um ser com uma individualidade própria, alguém completamente único, com um ponto de vista próprio, uma visão. Adorava-o”, declarou ao jornal português Diário de Notícias.

Na França, a atriz Catherine Deneuve também lamentou a morte do mestre do cinema português. “Manoel de Oliveira era muito especial. Ele era sedutor e autoritário ao mesmo tempo. Ele era encantador. Ele tinha alguma coisa de artesão, sempre trabalhando sem parar nos seus filmes”, disse a atriz ao jornal Libération. Deneuve trabalhou com o cineasta no filme “O Convento”, de 1995.
A revista francesa Cahiers du Cinéma também prepara uma homenagem a Manoel de Oliveira. A edição do próximo mês deve ter até 30 páginas dedicadas à obra do português. A publicação do número deve coincidir com o começo do Festival de Cinema de Cannes.

Em nome da família, um dos netos de Oliveira, o ator Ricardo Trêpa, declarou nesta sexta-feira: “Vamos lamentar a morte de um grande homem e um grande cineasta que fez muito por Portugal”.  Em dezembro, para celebrar seu aniversário de 106 anos, o cineasta lançou seu último trabalho: o curta-metragem "O Velho do Restelo", ficção inspirada no poema épico "Os Luisíadas", de Camões. Alguns dias antes, ele havia recebido a Legião de Honra da França, na Fundação Cultural Serralves, no Porto.

 

 

 

 

 

 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.