Cinema

Após 17 anos, Terry Gilliam finalmente termina de filmar seu "Dom Quixote"

Foto publicada por Gilliam para anunciar o fim das filmagens: "Quixote está vivo".
Foto publicada por Gilliam para anunciar o fim das filmagens: "Quixote está vivo". Facebook

O cineasta britânico Terry Gilliam, 76, anunciou no Facebook ter finalmente acabado a filmagem, na Espanha e em Portugal, do seu último filme, “O Homem Que Matou Dom Quixote”, que começou... há 17 anos.

Publicidade

A produção é parcialmente baseada no clássico espanhol “Dom Quixote de la Mancha" (1605), de Miguel de Cervantes, e conta com uma trama contemporânea – um publicitário volta à Espanha e encontra um homem que diz ser o herói do livro, interpretado por Jonathan Pryce.

"Muchas gracias (muito obrigado) à equipe e aos que acreditaram no projeto. Dom Quixote está vivo!", escreveu o diretor e ex-integrante da famosa trupe inglesa de humor Monty Python. Ele também publicou a foto de um caminhão, no qual pode ser lida em espanhol a última frase da mensagem.

Nesta quarta-feira (7), Gilliam postou no  Facebook a foto de um arco-íris sobre a cidade de Gallipienzo, em Navarra (Espanha), com a legenda: "Los Sueños, a vila dos sonhos de Dom Quixote". 

Logo em seguida, ele publicou o link para um artigo do site satírico The Studio Exec, que publicou que o cineasta havia deletado, por engano, o filme do disco rígido do seu computador. "Acho que me distraí jogando sinuca com a minha neta na Espanha", brincou Gilliam no post com uma foto sua com a bebê em cima da mesa de bilhar.

Produção amaldiçoada

O filme é que o que pode se chamar de produção “amaldiçoada”. O diretor, que realizou filmes como "Brazil" (1985) e “As Aventuras do Barão de Munchausen” (1988), fez a primeira tentativa de gravar a obra em 2000. Ele estava muito animado para realizar o filme, porque o livro de Cervantes engloba muitos dos temas que percorrem sua obra – como indivíduo versus sociedade e o conceito de sanidade.

"Los Sueños, a vila dos sonhos de Dom Quixote", postou no Facebook
"Los Sueños, a vila dos sonhos de Dom Quixote", postou no Facebook Facebook

Com orçamento de US$ 32,1 milhões, a produção seria a mais cara jamais realizada na Europa. O francês Jean Rochefort interpretaria o papel-título, e Johnny Depp e Vanessa Paradis (que eram casal na época) também estavam entre os protagonistas, além de Miranda Richardson, Christopher Eccleston, Bill Paterson, Rossy de Palma, o próprio Jonathan Pryce, Ian Holm, Eva Basteiro-Bertoli, Peter Vaughan e Sally Phillips.

Mas nada saiu como planejado, e diversos problemas no deserto espanhol de Bardenas Reales (Navarra), primeira locação do filme, levaram ao cancelamento do projeto. Caças militares que sobrevoavam a área arruinaram o áudio, uma chuva torrencial danificou os equipamentos e mudou a cor da paisagem, e Rochefort foi diagnosticado com uma hérnia de disco, o que o impossibilitou de continuar a gravação.

Porém um documentário, chamado “Lost in La Mancha”, foi lançado, contando a tentativa frustrada de realizar “o filme que não queria ser realizado”.

Câncer, falta de dinheiro... mais problemas

Após uma batalha jurídica pelos direitos autorais com a companhia de seguro, Gilliam retomou a produção em 2008, anunciando que Robert Duvall faria o papel de Dom Quixote. Porém Depp, que seguia ligado ao projeto para interpretar o jovem publicitário da trama, havia assinado contrato com duas produções da Disney, o que bloqueou a gravação. O posterior desinteresse do ator fez com que Gilliam anunciasse em 2010 que Ewan McGregor o substituiria.

"Acho que me distraí jogando sinuca com minha neta e apaguei o filme", brincou
"Acho que me distraí jogando sinuca com minha neta e apaguei o filme", brincou Facebook

No mesmo ano, a revista norte-americana Variety revelou que os atrasos no início das filmagens repercutiram negativamente no orçamento. Apenas em janeiro de 2014, Gilliam publicou no Facebook que o projeto havia sido retomado. “Vamos conseguir colocar o velho bastardo de volta sobre o cavalo este ano”, escreveu.

O produtor espanhol Adrián Guerra embarcou na produção, e Gilliam afirmou: “Ele é muito inteligente, adora filmes. Ele é jovem o suficiente para adorar o cinema, mas ainda temos que selecionar o elenco e conseguir o dinheiro”. Em setembro daquele ano, o ator John Hurt foi escalado para o papel de Dom Quixote.

Em entrevista à revista Rolling Stone, para divulgar seu filme “The Zero Theorem", Gilliam comparou a produção à pedra de Sísifo, da mitologia grega, “que volta a rolar montanha abaixo quando quase chegamos ao topo”.

"Teimosia e burrice"

Quando perguntado por que insistia em fazer o filme, o diretor respondeu: “Não sei, teimosia, burrice... Não sei mais. Estou começando a pensar que, se não funcionar desta vez, vou largar o projeto. Perdi muito tempo da minha vida. Mas, se você vai filmar ‘Dom Quixote’, você tem que ser tão louco quanto ele. Perdi quantos anos? 15? É tipo a determinação em ser louco e irracional”.

Em junho de 2015, a Amazon anunciou que distribuiria o filme. Mas, em setembro, a produção foi suspensa de novo porque Hurt foi diagnosticado com câncer no pâncreas pouco antes do início das filmagens.

Em maio de 2016, Gilliam anunciou durante o Festival de Cinema de Cannes que começaria a gravar em outubro com Michael Palin (seu colega no Monty Python) no papel principal. Porém em outubro o projeto foi novamente parado por falta de verbas. Finalmente o britânico Jonathan Pryce assumiu o papel principal, atuando ao lado de Adam Driver ("Star Wars: o Despertar da Força", "Paterson"), que interpreta o publicitário, Olga Kurylenko e Stellan Skarsgård.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.