Com Brasil fora do páreo, Oscar anuncia lista de indicações liderada por “Mank” da Netflix

A 93ª edição do Oscar, acontecerá em Hollywood em 25 de abril.
A 93ª edição do Oscar, acontecerá em Hollywood em 25 de abril. Danny Moloshok/Invision/AP - Danny Moloshok

O filme “Mank”, homenagem em preto e branco à idade de ouro de Hollywood, aparece nesta segunda-feira no topo da lista das nomeações para o Oscar, que este ano oferece um lugar de destaque às mulheres. Pelo 22° ano consecutivo, Brasil ficou de fora da lista de melhor filme estrangeiro.

Publicidade

O filme "Mank" de David Fincher, produzido pela Netflix, recebeu dez indicações no total, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Ator (Gary Oldman), Melhor Diretor, Melhor Atriz Coadjuvante (Amanda Seyfried), bem como em várias categorias técnicas premiadas pela Academia de Artes e Ciências do Cinema dos Estados Unidos, que concede os prestigiosos prêmios.

Em seguida, aparecem seis filmes com seis indicações, incluindo "Nomadland", de Chloe Zhao, com Frances McDormand, considerada a favorita por muitos especialistas após sua vitória no Globo de Ouro, e "The Chicago Seven", o drama jurídico de Aaron Sorkin em torno da repressão às manifestações contra a Guerra do Vietnã, com Sacha Baron Cohen.

Muitas vezes criticada por sua falta de representatividade, a Academia do Oscar selecionou este ano duas mulheres entre cinco na categoria de "melhor diretor", Chloe Zhao ("Nomadland") e Emerald Fennell ("Bela vingança"). Esta é a primeira vez que isso acontece.

Queridinha de Hollywood este ano, Chloe Zhao também é a primeira mulher a concorrer ao Oscar em quatro categorias diferentes (melhor filme, direção, montagem e roteiro), observa a Academia.

Outro recorde histórico: 76 indicações no total foram para mulheres.

Diversidade

Os cinemas permaneceram completamente fechados desde meados de março de 2020 em Los Angeles devido a restrições de saúde ligadas à pandemia, o que forçou o Oscar a adiar a cerimônia de premiação para 25 de abril. Coincidentemente ou não, as salas escuras de "LA" receberam luz verde para uma reabertura parcial, a partir de segunda-feira (15).

O Globo de Ouro foi criticado pela falta de filmes com atores negros, mas o Oscar evitou essa armadilha e selecionou para seis estatuetas o filme "Judas e o Messias Negro", que destaca a luta pelos direitos civis na década de 1960 e a ação dos Panteras Negras.

Daniel Kaluuya e LaKeith Stanfield estão ambos concorrendo ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por este filme, notadamente contra Leslie Odom Jr ("Uma Noite em Miami") e Sacha Baron Cohen.

Outros candidatos sérios desta 93ª edição, "Minari" e sua família de norte-americanos de origem sul-coreana se instalando no campo, "Meu Pai" com o lendário Anthony Hopkins, dirigido pelo escritor francês Florian Zeller, e "O Som do Silêncio", com o rapper Riz Ahmed. Todos eles receberam seis indicações também.

No cinema estrangeiro, o candidato francês "Deux" não foi selecionado e é o filme dinamarquês "Druk", com Mads Mikkelsen, que parece ser o favorito.

Vale destacar a muito aguardada nomeação póstuma do falecido Chadwick Boseman, que morreu no ano passado de câncer aos 43 anos, por seu papel em "A Voz Suprema do Blues", outra produção da Netflix.

Com seus inúmeros filmes, cujas audiências têm sido impulsionadas pelos lockdowns ligados à pandemia, a Netflix domina as indicações para esta edição do Oscar, com um total de 35, um recorde.

Devido ao coronavírus, que manteve o júri longe de salas de exibição e outros eventos privados, os cerca de 10.000 profissionais que votaram no Oscar tiveram que assistir aos filmes na própria plataforma de internet da Academia

 A 93ª edição do Oscar será realizada em vários locais alternadamente, incluindo o Dolby Theatre em Hollywood, que historicamente hospeda esta noite de gala.

Confira os indicados à 93ª edição do Oscar:


Melhor filme

  • “Nomadland”
  • “Os 7 de Chicago”
  • “Minari”
  • “Bela Vingança”
  • “O Som do Silêncio”
  • “Meu Pai”
  • “Judas e o Messias Negro”
  • “Mank”

Melhor direção

  • Chloé Zhao, “Nomadland”
  • Lee Isaac Chung, “Minari”
  • Emerald Fennell, “Bela Vingança”
  • David Fincher, “Mank”
  • Thomas Vinterberg, "Druk - Mais uma Rodada"

Melhor ator

  • Chadwick Boseman, “A Voz Suprema do Blues”
  • Anthony Hopkins, “Meu Pai”
  • Riz Ahmed, “O Som do Silêncio”
  • Steven Yeun, “Minari”
  • Gary Oldman, “Mank”

Melhor atriz

  • Carey Mulligan, “Bela Vingança”
  • Frances McDormand, “Nomadland”
  • Andra Day, “The United States vs. Billie Holiday”
  • Viola Davis, “A Voz Suprema do Blues”
  • Vanessa Kirby, “Pieces of a Woman”

Melhor ator coadjuvante

  • Daniel Kaluuya, “Judas e o Messias Negro”
  • Leslie Odom Jr., “Uma Noite em Miami”
  • Sacha Baron Cohen, “Os 7 de Chicago”
  • Lakeith Stanfield, “Judas e o Messias Negro”
  • Paul Raci, “O Som do Silêncio”

Melhor atriz coadjuvante

  • Youn Yuh-jung, “Minari”
  • Olivia Colman, “Meu Pai”
  • Glenn Close, “Era uma Vez um Sonho”
  • Maria Bakalova, “Borat: Fita de Cinema Seguinte”
  • Amada Seyfried, "Mank"

Melhor roteiro adaptado

  • “Nomadland”
  • “Uma Noite em Miami”
  • “Meu Pai”
  • “Borat: Fita de Cinema Seguinte”
  • “O Tigre Branco"

Melhor roteiro original

  • “Os 7 de Chicago”
  • “Bela Vingança”
  • “Minari”
  • “O Som do Silêncio”
  • “Judas e o Messias Negro"

Melhor figurino

  • “A Voz Suprema do Blues"
  • “Mulan”
  • “Emma”
  • “Mank”
  • "Pinóquio"

Melhor trilha sonora

  • “Relatos do Mundo”
  • “Soul”
  • “Mank”
  • "Destacamento Blood"
  • "Minari"

Melhor curta-metragem

  • “Two Distant Strangers”
  • “The Letter Room”
  • “Feeling Through”
  • “White Eye”
  • "The Present"

Melhor curta-metragem em animação

  • “Se Algo Acontecer... Te Amo”
  • “Genius Loci”
  • "Yes-People"
  • “Opera”
  • “Toca"

Melhor som

  • “O Som do Silêncio”
  • “Relatos do Mundo”
  • "Soul"
  • “Mank”
  • "Greyhound"

Melhor animação

  • “Soul”
  • “Wolfwalkers”
  • “Dois Irmãos”
  • “A Caminho da Lua”
  • “Shaun, o Carneiro: A Fazenda Contra-Ataca”

Melhor fotografia

  • “Nomadland”
  • “Mank”
  • “Relatos do Mundo”
  • “Os 7 de Chicago”
  • "Judas e o Messias Negro"

Melhor documentário

  • “Time”
  • “Crip Camp: Revolução pela Inclusão”
  • “Professor Polvo”
  • “Collective”
  • "The Mole Agent"

Melhor documentário em curta-metragem

  • “A Concerto Is a Conversation”
  • “Uma Canção para Latasha”
  • "Colette"
  • "Do Not Split"
  • "Hunger Ward"

Melhor montagem

  • “O Som do Silêncio”
  • “Os 7 de Chicago”
  • "Meu Pai"
  • "Nomadland"
  • "Bela Vingança"

Melhor filme internacional

  • “Druk - Mais uma Rodada” (Dinamarca)
  • "Better Days" (Hong Kong)
  • “Quo Vadis, Aida?” (Bósnia e Herzegovina)
  • “O Homem que Vendeu Sua Pele” (Tunísia)
  • “Collective” (Romênia)

Melhor cabelo e maquiagem

  • “A Voz Suprema do Blues”
  • “Pinóquio"
  • "Mank"
  • “Era uma Vez um Sonho”
  • "Emma"

Melhor canção original

  • “Speak Now”, de “Uma Noite em Miami”
  • “Io Si (Seen)”, de “Rosa e Momo”
  • “Fight for You”, de “Judas e o Messias Negro”
  • "Hear My Voice", de "Os 7 de Chicago"
  • "Husavik", de "Festival Eurovision da Canção: A Saga de Sigrit e Lars"

Melhor design de produção

  • “Mank”
  • “Relatos do Mundo”
  • “Tenet”
  • "Meu Pai"
  • "A Voz Suprema do Blues"

Melhores efeitos especiais

  • “Tenet”
  • “O Céu da Meia-Noite”
  • "Love and Monsters"
  • "Mulan"
  • "O Grande Ivan"

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.