Senegalês ganha maior prêmio literário da França com romance sobre busca pelo “Rimbaud negro”

Senegalês Mohamed Mbougar Sarr, 31, ganha prêmio Goncourt 2021 com livro "La plus secrète mémoire des hommes".
Senegalês Mohamed Mbougar Sarr, 31, ganha prêmio Goncourt 2021 com livro "La plus secrète mémoire des hommes". © AFP - BERTRAND GUAY

O jovem escritor senegalês Mohamed Mbougar Sarr, de 31 anos, é o ganhador do prêmio Goncourt de 2021, o mais importante prêmio literário da França. É a primeira vez em mais de cem anos de Goncourt que o premiado é um autor da África subsaariana.

Publicidade

O anúncio foi feito nesta quarta-feira (3) e não se pode dizer que foi uma surpresa. Há dias as apostas da imprensa especializada indicavam que o romance "La plus secrète mémoire des hommes" (A mais secreta memória dos homens, em tradução livre) era o favorito para a premiação.

Com uma escrita ambiciosa, em que diversos gêneros literários se revezam, o livro conta a busca de um jovem escritor senegalês para resgatar a memória de um autor que ficou conhecido como o “Rimbaud negro” após publicar um livro que causou escândalo na Paris de 1938. 

Diégane vai seguir o rastro do misterioso T.C. Elimane e, nesse percurso, enfrentar dois dos grandes apocalipses do século 20: o colonialismo africano e o Holocausto. A história vai do Senegal à França passando pela Argentina, em uma narrativa que explora a mais importante questão da literatura: por que, como e para quem escrevemos?

“É um livro de iniciação sobre a paixão pela literatura, a vontade de escrever, sobre a vontade de encontrar um sentido através da criação”, resumiu o autor Mbougar Sarr em uma entrevista concedida em agosto.

Para o presidente da Academia Goncourt, Didier Decoin, o livro é um “hino à literatura".

Três décadas de vida e quatro livros

Este é o quarto romance do jovem autor que publicou seu primeiro título em 2014, quando tinha apenas 24 anos. Nascido em Dakar e o mais velho dos filhos de um médico, Sarr dedicou seus estudos em Paris à literatura negra e abandonou seu doutorado para abraçar a escrita.

A escolha mostrou-se acertada. Seu primeiro romance, “Terre ceinte”, sobre a vida em um vilarejo sob domínio de milícias jihadistas, ganhou três prêmios literários.

Com “Silence du choeur”, seu segundo romance, Sarr levou duas outras condecorações pelo livro que aborda a vida dos imigrantes africanos na Sicília. Em 2018, ele faz uma escolha ousada e lança "De purs hommes", um romance sobre a experiência homossexual no continente africano.

Apesar dos prêmios e da recepção favorável da imprensa, o senegalês até então era pouco conhecido do público na França e no mundo. No Brasil, nenhum dos seus títulos tem tradução para o português.

A conquista do Goncourt por seis dos dez votos do júri deve mudar esta história. O prêmio é conhecido por provocar euforia de venda, tendo alguns de seus títulos ganhadores ultrapassado a fronteira dos milhões de exemplares vendidos. 

Ao chegar ao mítico restaurante Drouant, em Paris, onde acontece a cerimônia do Goncourt, o jovem poupou palavras à imprensa. "Eu sinto muita alegria", disse.

A veterana Amélie Nothomb

O prêmio Renaudot, também anunciado nesta quarta-feira, foi conquistado pela escritora belga Amélie Nothomb e seu romance “Premier sang” (Primeiro sangue, em tradução livre).

Para essa autora sucesso de vendas e com dezenas de livros editados, alguns traduzidos em português, o prêmio servirá de homenagem ao pai. Seu romance ficciona as memórias de seu pai, morto em 2020.

* Com informações de Catherine Fruchon-Toussaint, da RFI, e da AFP

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI