Acessar o conteúdo principal
Economia

Nova equipe econômica terá de cortar gastos sem mexer em políticas sociais

Áudio 04:15
Joaquim Levy (esq.) e Nelson Barbosa (dir.) devem assumir a Fazenda e o Planejamento.
Joaquim Levy (esq.) e Nelson Barbosa (dir.) devem assumir a Fazenda e o Planejamento.
Por: Lúcia Müzell

A nova equipe econômica que vai tomar posse no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff terá o desafio de cortar gastos públicos sem impactar nas políticas sociais do governo. Joaquim Levy, ex-secretário do Tesouro, deve ser confirmado nos próximos dias para o Ministério da Fazenda, enquanto Nelson Barbosa, ex-secretário-executivo da pasta, deve migrar para o Ministério do Planejamento.

Publicidade

Os nomes indicam o reforço de uma economia mais ortodoxa, portanto mais austera, sem perder de vista o caráter desenvolvimentista da gestão petista. Levy teve passagens pelo Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Banco Interamericano de Desenvolvimento. O provável sucessor de Guido Mantega deu os primeiros passos em Brasília no governo de Fernando Henrique Cardoso, antes de chefiar a Secretaria do Tesouro até 2006, no governo Lula. Atualmente, é o diretor-superintendente do Bradesco Asset Management.

“O Levy tem um perfil técnico muito consolidado. Ele tem uma imagem associada ao controle de gastos, e com isso o governo quer sinalizar que vai dar uma maior ênfase à política fiscal, e particularmente à geração do superávit. Ele é muito focado em controlar gastos, e acredito que ele fará isso”, afirma David Kupfer, coordenador do Grupo de Indústria e Competitividade da UFRJ. “E o deslocamento do Nelson da Fazenda para o Planejamento abre a perspectiva de colocar um economista de excelente formação para potencializar uma atuação mais específica da pasta do Planejamento.”

O professor avalia que, até o momento, a presidente Dilma Rousseff não sinalizou uma mudança na política econômica – apenas demonstrou que está atenta às correções necessárias para que o país retome o crescimento.

“Eu acho que a questão agora é verificar os espaços que existem para que se acomode um gasto público menor sem prejudicar as prioridades do governo. E eu acho que há espaço”, destaca. “Não sei se ele vai ser ocupado adequadamente, afinal não tenho bola de cristal. Mas há algum tipo de ineficácia e de baixa efetividade em certos gastos. Dá para aumentar a produtividade do gasto social.”

Mercados animados

A notícia de que Levy e Barbosa seriam nomeados animou os mercados financeiros, que pressionavam pelo fortalecimento do chamado tripé econômico – inflação dentro da meta, câmbio flexível e gastos sob controle. Marcel Caparoz, economista da RC Consultores, observa que a nova equipe deverá adotar medidas impopulares, mas necessárias para o país não comprometer os avanços sociais conquistados nos últimos anos.

“É muito importante que a economia continue crescendo para o governo poder continuar fazendo redistribuição de renda. A mensagem que o governo está dando é a de que entendeu que existem algumas medidas que precisam ser tomadas, inclusive estruturais”, ressalta Caparoz. “A indicação destes nomes para a equipe econômica sinaliza que ele quer corrigir os problemas.”

João Ricardo Costa Filho, associado da Pezco Microanalysis, também viu com bons olhos os prováveis futuros ministros, inclusive o da senadora Kátia Abreu, árdua defensora do agronegócio, que deve ser nomeada para a Agricultura. Para o analista, os nomes sugerem que a presidente pode dar mais liberdade de ação para a sua equipe, ao contrário do que demonstrou no primeiro mandato.

“Eu acho que essas composições mostram um intervencionismo menor da presidente no segundo mandato. Acho que se ela deixar a equipe monetária mais livre para perseguir os seus objetivos, interferir menos nas decisões da Fazenda e deixar que o novo ministro seja mais autônomo e faça o que tem que fazer, mesmo que essas medidas não sejam tão favoráveis do ponto de vista político, a gente vai ter bons benefícios para colher mais à frente”, diz o consultor de investimentos.

O governo prometeu anunciar oficialmente a nova equipe econômica até quinta-feira (27).
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.