Acessar o conteúdo principal

Zona do euro começa 2017 com sólido crescimento apesar de incertezas

Zona do euro começa 2017 com sólido crescimento
Zona do euro começa 2017 com sólido crescimento Divulgação
Texto por: RFI
4 min

O PIB da zona do euro registrou no primeiro trimestre de 2017 um crescimento de 0,5%, indicou nesta quarta-feira (3) o instituto Eurostat, apesar das incertezas que pesam sobre sua economia, como o Brexit e as eleições na França. 

Publicidade

"A economia está demostrando ser resistente à incerteza, tanto externa como interna", informou Bert Colijn, analista da ING, para quem "salvo surpresa na eleição presidencial francesa de domingo", na qual o candidato pró-europeu lidera as pesquisas, o crescimento se dirige a "um forte 2017".

A expansão corresponde às estimativas dos analistas consultados pelo provedor de serviços financeiros Factset e à registrada nos últimos três meses de 2016. Em comparação ao primeiro trimestre desse mesmo ano, o PIB evoluiu 1,7% entre janeiro e março passados.

Em um contexto de recuperação das consequências da crise financeira de 2008 e da posterior crise da dívida no bloco, a Comissão Europeia prevê para 2017 um crescimento similar ao registrado no ano anterior, quando o PIB evoluiu 1,7%.

Em suas previsões de fevereiro, Bruxelas estimou um crescimento dos países do euro de 1,6% para 2017, uma expansão anual que o Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou as projeções de abril para 1,7%. O executivo comunitário prevê publicar em 11 de maio suas novas estimativas.

Espanha impulsiona o crescimento

Sem o conhecimento dos dados de todos os países, a Espanha (+0,8% no primeiro trimestre), a Áustria (+0,6%) e a Bélgica (+0,5%) contribuíram para a expansão na zona do euro nos três primeiros meses de 2017. A França obteve nesse período um crescimento de 0,3%, dois pontos abaixo do registrado entre outubro e dezembro passados.

"A melhora no crescimento do PIB da zona do euro (...) foi limitada por uma desaceleração na França", apontou Howard Archer, analista da IHS Markit, para quem a Alemanha, a maior economia da zona do euro, poderia anunciar uma expansão de 0,7% no primeiro trimestre.

O comissário europeu de Assuntos Econômicos e Financeiros, Pierre Moscovici, ressaltou que o crescimento nos três primeiros meses de 2017 foi reforçado por "uma política monetária acomodatícia, a elevada confiança dos consumidores e das empresas, e uma melhora do comércio mundial do verão (boreal) passado".

Moscovici lamentou, no entanto, que "essa melhora" não beneficia "de maneira uniforme" todos os países da zona do euro, onde o desemprego se manteve estável em março em uma média de 9,5%, embora tenha sido superior nos países do sul da Europa mais castigados pela crise da dívida, como a Grécia (23,5%, segundo dados de janeiro) ou a Espanha (18,2%).

"Devemos lutar contra essas diferenças econômicas se queremos fazer retroceder o populismo na Europa", advertiu o comissário europeu, em um momento em que a eleição presidencial na França, um pilar da UE, opõe um candidato centrista e um pró-europeu a uma candidata antieuropeísta e ultradireitista.

"Riscos políticos"

Os analistas alertam, neste sentido, que "as incertezas e os riscos políticos não desapareceram completamente", nas palavras de Archer. Os países europeus se preparam para iniciar as complexas negociações de divórcio com o Reino Unido.

"Em um ano com sérios riscos políticos, a economia registrou um começo animador", avaliou Florian Hense, economista do Berenberg Bank.

Esta expansão pode aumentar a pressão sobre o Banco Central Europeu (BCE) para pôr fim a suas medidas de estímulo, um cenário descartado até o momento pelo presidente da instituição monetária, Mario Draghi, para quem é muito cedo apesar dos sinais positivos.

Em relação aos 28 países da União Europeia, o PIB apresentou nos três primeiros meses de 2017 uma expansão de 0,4%, menos que o crescimento de 0,6% do último trimestre de 2016, segundo as primeiras estimativas da Eurostat.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.