Em cúpula da OCDE, Paulo Guedes diz que Brasil priorizou salvar vidas e valoriza atuação de estados

O Ministro de Economía de Brasil, Paulo Guedes, disse ainda que o Brasil "alimenta o mundo preservando o seu meio ambiente" e que "se há há erros, corrigiremos".
O Ministro de Economía de Brasil, Paulo Guedes, disse ainda que o Brasil "alimenta o mundo preservando o seu meio ambiente" e que "se há há erros, corrigiremos". AFP

Durante cúpula com representantes da América Latina e Caribe sobre estratégias para enfrentar a pandemia no cenário de informalidade, o ministro Paulo Guedes, da Economia, afirmou que a atuação do governo brasileiro priorizou salvar vidas e destacou a ação descentralizada. A reunião virtual feita pela OCDE aconteceu nesta segunda-feira (13).

Publicidade

Após meses de uma acirrada disputa de discursos entre os governadores que defendiam a quarentena e o governo de Jair Bolsonaro, que afirmava que o confinamento levaria uma crise econômica, Guedes afirmou em sua apresentação que a primeira frente de preocupação do governo brasileiro foi a de salvar vidas e enalteceu a atuação de prefeituras e estados e as transferências de recursos para governos locais.

Em sua fala no painel de abertura da reunião regional, Guedes chamou os estados que mantiveram quarentenas de “estados mais cuidadosos”, onde a “doença não avançou tão rapidamente”.

No entanto, o ministro mencionou a demora para superar a crise como resultado do tamanho do país e do sistema federativo. “No Brasil, é impossível dizer quanto tempo vai durar [a pandemia] porque é um país muito grande e o processo de decisão descentralizado”, afirmou.

O Brasil é o país mais afetado pela pandemia da América Latina e segundo no mundo, com 72.100 mortes e mais de 1,8 milhão de contaminados, entre eles o presidente.

Discurso dissonante

Participando do painel de abertura da reunião ao lado dos representantes da República Dominicana, Costa Rica, Colômbia, Peru e da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), a fala do ministro da Economia destoou do discurso geral.

Os países vizinhos salientaram a preocupação com o aumento da regionalização da economia e a necessidade de aumento de recursos (e de impostos diretos) para que os governos possam manter e ampliar direitos sociais para os grupos mais vulneráveis. 

O secretário geral da OCDE, Ángel Gurría, chegou a defender reformas tributárias que ampliem impostos sobre renda de pessoas físicas.

Já Guedes falou sobre o auxílio emergencial e o plano de ampliar a base de assistência social, com o Renda Brasil, mas defendeu a redução de impostos e o avanço do que chamou de reformas “estruturantes”, além de indicar a intenção brasileira na ampliação de seus laços na economia global.

Defesa da Amazônia, de olho na Europa

De olho no acordo de comércio livre entre o Mercosul e a União Europeia, que está sob risco devido ao aumento do desmatamento no país, Guedes dedicou quase dez minutos de sua fala à preservação da Amazônia.

“Sabemos que preservamos melhor nossas florestas e que tratamos nossos povos indígenas melhor que outros países, onde houve guerras de extermínio”, disse.

"O Brasil é um país que alimenta o mundo preservando o seu meio ambiente. Se há excessos e há erros, corrigiremos. Não aceitaremos o desmatamento ilegal e a exploração ilegal de recursos", continuou. "Estamos abertos à cooperação."

Distante do discurso de Bolsonaro, que chegou a dizer em 2019 que o Brasil não precisava de dinheiro alemão para proteger a floresta amazônica, Guedes afirmou que o país não tem capacidade para fazer o monitoramento da Amazônia sozinho e disse que o Brasil precisa de ajuda.

O país teve recorde de alertas de desmatamento no mês de junho. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) indicou que uma área de 1.034 km² está sob risco. O valor é 10% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado e 24% maior do que em maio, que já havia sido um recorde para o período.

A cúpula regional continua nesta semana com reuniões entre governos para discutir soluções para enfrentar a crise sanitária e a social em um cenário de grande taxas de informalidade. Na América Latina e Caribe, 58% das pessoas ocupadas são trabalhadores informais. No Brasil, os informais são cerca de 38 milhões.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, participará na quarta-feira (15) de uma sessão fechada com outros governos em que deve apresentar os resultados da concessão do auxílio emergencial de R$ 600 durante a pandemia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.