Brasil/Basquete

Brasil embarca de Paris para o Mundial na República Tcheca

Torneio Internacional de Picardie, Alessandra Oliveira.
Torneio Internacional de Picardie, Alessandra Oliveira. CBB/ Romain Chaib

Nesta segunda-feira, a seleção brasileira de basquete feminino embarca da capital francesa para Brno, na República Tcheca, onde vai disputar o campeonato mundial que começa esta semana. No Grupo C da competição, o Brasil estreia contra a Coreia do Sul na quinta-feira, depois joga contra o Mali, na sexta, e a Espanha, no sábado.  

Publicidade

Antes de embarcar para Praga, o Brasil disputou o torneio de Picardie, na cidade de Amiens, contra a Argentina, o Japão e a França. Foram três jogos e duas derrotas. O Brasil venceu a Argentina e perdeu para o Japão e para a França.

Otimismo

Apesar do fraco rendimento, o grupo está otimista. “Quanto a jogos amistosos, é normal perder, pois ainda estamos fazendo alguns testes, alguns ajustes”, disse a pivô Kelly, de 30 anos. “É até importante perder agora para rever alguns detalhes e estar bem preparada para a competição. Nas Olimpíadas de Sydney, quando nós ganhamos a medalha de bronze, nós também perdemos em alguns amistosos”, lembra a pivô.

Kelly analisou também as três primeiras adversárias do Brasil no campeonato. “O time de Mali é bem físico, mas nós já fizemos amistosos contra elas e tivemos uma superioridade no placar. A equipe da Coreia do Sul é bem rápida, mas nós temos a vantagem de sermos mais altas e podermos jogar com as pivôs. Já a Espanha tem um time muito bom, muito talentoso, mas nós podemos jogar de igual para igual contra elas”, afirmou Kelly, antes de concluir: “Eu acredito em pódium, sim, com certeza”.

Neste domingo, o treinador brasileiro, o espanhol Carlos Colinas, definiu o grupo de 12 jogadoras para o Mundial. Ele cortou a veterana Micaela, de 30 anos, e a jovem Tássia, de 18.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.