Futebol/Seleção francesa

Jogadores da seleção francesa querem gratificações apesar do fiasco na Copa

Os jogadores da seleção francesa embarcam no aeroporto de Bloemfonteim, poucas horas após a derrota para a África do Sul que eliminou a França da Copa do Mundo.
Os jogadores da seleção francesa embarcam no aeroporto de Bloemfonteim, poucas horas após a derrota para a África do Sul que eliminou a França da Copa do Mundo. Franck Fife/AFP

Segundo o jornal esportivo L'Équipe, os jogadores que fizeram parte da seleção francesa na Copa do Mundo da África do Sul não pretendem renunciar ao dinheiro dos patrocinadores, ao contrário do que foi anunciado depois que a França foi eliminada do campeonato. 

Publicidade

Logo após a eliminação desastrosa da França na primeira fase da Copa do Mundo, no dia 22 de junho, o capitão da seleção francesa, Patrice Evra, havia anunciado que os jogadores renunciariam às gratificações dos patrocinadores.

Mais de quatro meses depois, parece que a coisa não é bem assim. De acordo com o jornal esportivo L'Équipe, os jogadores, que chegaram a fazer greve de treino logo antes de uma derrota humilhante para a África do Sul, dizem que nunca quiseram renunciar às gratificações, e que Patrice Evra falou demais.

O jornal indica que vários atletas se recusaram a assinar o documento emitido pela Federação Francesa de Futebol formalizando a desistência das gratificações dos patrocinadores. Alguns estariam dispostos a abrir mão de uma pequena parte da soma, que chega a € 2 milhões, quase R$ 5 milhões, para o conjunto dos jogadores.

O problema é que após o fiasco da Copa todo mundo acreditou que eles renunciariam às receitas de patrocínio, inclusive a Federação Francesa de Futebol, que estava contando com esse dinheiro para diminuir o seu déficit de mais de € 1 milhão, cerca de R$ 2,3 milhões.

Segundo o jornal, esse caso deve dar mais munição aos que acusam os dirigentes da Federação de amadorismo, pois eles deveriam ter formalizado mais rápido a promessa feita na África do Sul, sem dar tempo para que os jogadores mudassem de ideia. E o episódio também não vai ajudar em nada a melhorar a imagem dos jogadores da seleção francesa, que saiu bem arranhada da Copa do Mundo.

Em resposta à reportagem publicada por L'Équipe, Alou Diarra, atual capitão da seleção francesa, afirmou hoje que os jogadores da equipe têm a intenção de doar as gratificações a obras de caridade. "Queríamos fazer uma boa ação neste momento do ano em que os tempos são difíceis", afirmou Diarra à rádio francesa RTL.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.