Acessar o conteúdo principal

Mais uma vez, africanos dominam São Silvestre

Corredora etíope Ymer Ayalew cruza linha de chegada seguida de Delvine Meringor, do Quênia
Corredora etíope Ymer Ayalew cruza linha de chegada seguida de Delvine Meringor, do Quênia REUTERS/Nacho Doce
Texto por: RFI
2 min

Mais uma vez, os atletas africanos ocuparam os primeiros lugares no pódio da tradicional corrida de São Silvestre em São Paulo. Atual vencedor da Maratona de Nova York, o queniano Stanley Biwott fez o melhor tempo entre os homens, de 44 minutos e 31 segundos. Na categoria feminina, a campeã da edição 2015 da prova foi Ymer Ayalew, da Etiópia, com marca de 54 minutos e 1 segundo.

Publicidade

O primeiro brasileiro a cruzar a chegada foi Giovani dos Santos, quinto na classificação geral, com tempo de 44 minutos e 58 segundos. Entre as mulheres, Sueli Pereira completou a prova em 54 minutos e 15 segundos, garantindo o quarto lugar. A conterrânea Joziane Cardoso chegou sete segundos depois, sagrando-se quinta colocada. Logo depois da prova, ela passou mal e teve de ser retirada de maca.

Assim, alarga-se o jejum brasileiro na prova. A última conquista do país nos 15 quilômetros da maratona paulista foi com Marílson dos Santos, que festejou seu tricampeonato em 2010. No ano que vem, as mulheres podem completar uma década sem subir ao topo do pódio, desde a vitória de Lucélia Peres, em 2006.

Queda brasileira no final

Como nos últimos anos, os brasileiros começaram bem nas duas categorias, mas os africanos mostraram sua força na subida da Avenida Brigadeiro Luís Antonio, arrancada final e ponto mais difícil da prova. Nos últimos metros da disputa masculina, só era possível ver Stanley Biwott e o segundo colocado, o etíope Leul Aleme, que brigaram até a linha de chegada.

Na categoria feminina, Roseilane de Souza Ramos manteve a dianteira até o fim da Avenida Pacaembu, mas acabou ultrapassada por um pelotão de nove atletas - seis delas africanas. Na reta final, a disputa terminou restrita à queniana Delvine Meringor, à Failuna Matanga, da Tanzânia, e a Ayalew, que garantiu o bicampeonato.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.