Acessar o conteúdo principal
Liga dos Campeões/Real

Real Madrid desfila em carro aberto com taça da Liga dos Campeões

Real Madrid desfila em carro aberto com taça da Liga dos Campeões.
Real Madrid desfila em carro aberto com taça da Liga dos Campeões. REUTERS/Susana Vera
3 min

Os jogadores do Real Madrid chegaram à capital espanhola no domingo (29) pela manhã e desfilaram pelo centro da cidade em um trio elétrico, recepcionados por uma grande multidão de torcedores. O clube merengue conquistou na véspera a taça da Liga dos Campeões, em Milão, contra o Atlético de Madrid.

Publicidade

O placar final foi de 5x3, nos pênaltis, após um empate de 1x1 que se arrastou na prorrogação. Com muita emoção, intensidade e suspense até o fim, o Real voltou ao topo do futebol europeu, conquistado a Liga dos Campeões pela 11ª vez, ao derrotar o 'primo pobre' Atlético, na reedição da final de 2014.

Herói da decisão de dois anos atrás, Sergio Ramos abriu o placar para o Real aos 15 minutos de jogo. O belga Yannick Carrasco deixou tudo igual aos 34 da etapa final, fazendo jus ao sobrenome ao tirar o título dos 'merengues' por alguns minutos, forçando a prorrogação (1-1).

Gol de Cristiano Ronaldo define partida

Na disputa de pênaltis, porém, as estrelas do Real brilharam. Cristiano Ronaldo converteu a cobrança decisiva (5-3), acabando com as esperanças 'colchoneras' de levantar a 'Taça Orelhuda' pela primeira vez.

Artilheiro da competição com 16 gols marcados, CR7, que sofreu uma lesão muscular num treino no início da semana, jogou claramente no sacrifício, mas teve a frieza de mandar a bola para as redes no momento decisivo. Todas as cinco cobranças do Real foram no canto esquerdo do goleiro Oblak, que tinha feito grandes defesas durante a partida.

Por ironia do destino, o único jogador do Atlético que falhou foi o lateral Juanfran, jogador revelado nas categorias de base do Real.

A 'undécima' veio depois dos títulos de 1956, 1957, 1958, 1959, 1960, 1966, 1998, 2000, 2002 e 2014.

Zizou é herói da festa

O triunfo do Real consagrou o técnico Zinedine Zidane, que já havia conquistado como jogador, marcando um gol antológico na final de 2002. O ex-craque francês tornou-se o sétimo da história a alcançar esse feito, depois de lendas como Miguel Munoz, Pep Guardiola, Carlo Ancelotti, Giovanni Trapattoni, Johan Cruyff e Frank Rijkaard.

Já o Atlético amargou o terceiro vice-campeonato (1974, 2014 e 2016), o segundo sob o comando de Diego Simeone.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.