Oscar/Chelsea/Shangai

Em transação milionária, Oscar troca Chelsea por Shangai SIPG

Oscar, em partida pelo Chelsea contra o Shaktar, em 2012.
Oscar, em partida pelo Chelsea contra o Shaktar, em 2012. REUTERS/Andrew Winning

O brasileiro Oscar vai trocar o Chelsea pelo Shanghai SIPG, clube da primeira divisão da China, anunciou a equipe nesta sexta-feira (23), em mais uma negociação milionária do futebol no gigante asiático.

Publicidade

"Shanghai SIPG e Chelsea chegaram oficialmente a um acordo para a transferência do jogador Oscar", anunciou a equipe chinesa. O meia brasileiro, de 25 anos, chegará nos próximos dias a Xangai para seu "compromisso oficial com o Shanghai SIPG", afirma o comunicado.

"Estou muito feliz de assinar com o SIPG. É um dia importante para mim, vou me unir a minha nova família na China", afirmou o jogador em um vídeo divulgado pelo clube chinês.

O valor da transferência não foi revelado, mas, de acordo com o site do jornal britânico The Guardian, alcançaria £ 60 milhões (R$ 245 milhões), o que representaria um novo recorde no futebol asiático. O recorde anterior havia sido estabelecido também pelo Shanghai SIPG, com a contratação de outro brasileiro, Hulk, do Zenit São Petersburgo, por £ 55,8 milhões (R$ 228 milhões), em julho.

Oscar estava sendo pouco aproveitado no Chelsea

A transferência de Oscar representa também a maior quantia recebida pelo Chelsea, após a venda do brasileiro David Luiz ao PSG, em 2014, por € 59 milhões (R$ 201 milhões).

Oscar, jogador do Chelsea desde 2012, parecia não estar nos planos do novo técnico do clube londrino, o italiano Antonio Conte, que desde o início da temporada convocou o brasileiro para poucas partidas. O contrato de Oscar com o time londrino acabava em 2019. O clube inglês agradeceu ao brasileiro por seus serviços e desejou boa sorte ao meia, que em 203 partidas pelo Chelsea anotou 38 gols.

O Shanghai SIPG, terceiro colocado na última Super League e que caiu nas quartas de final da Liga dos Campeões da Ásia em 2016, é um dos clubes que mais gasta em contratações na China. Desde novembro é treinado pelo português André Villas-Boas (ex-FC Porto, Chelsea e Tottenham), que sucedeu o sueco Sven-Goran Eriksson.

China quer ser potência do futebol até 2050

Os clubes da Super League gastaram mais de € 400 milhões (R$ 1,3 bilhão) na contratação de jogadores em 2016, após um pedido do governo chinês para transformar o país em uma potência do futebol até 2050. Os times chineses procuram jogadores de alto nível, que aceitem sacrificar suas carreiras na Europa por um campeonato de muito menos prestígio, mas lucrativo.

Muitos cederam à tentação do dinheiro chinês, como por exemplo os brasileiros Ramires (Chelsea, de 29 anos) e Alex Teixeira (Shakhtar Donetsk, 26 anos), o colombiano Jackson Martínez (Atlético Madrid, de 30 anos) e o argentino Ezequiel Lavezzi (PSG, 31 amos).

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.