Acessar o conteúdo principal

Começa julgamento em Paris de Lamine Diack, ex-presidente da IAAF, acusado de corrupção

O es-dirigentes da IAAF, Lamine Diack, em sua chegada no Tribunal em Paris, 8/06/2020.
O es-dirigentes da IAAF, Lamine Diack, em sua chegada no Tribunal em Paris, 8/06/2020. REUTERS/Gonzalo Fuentes
Texto por: RFI
3 min

O julgamento do ex-dirigente senegalês da Federação Internacional de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) e de outros 5 acusados ​​foi aberto na manhã desta segunda-feira (8) no Tribunal Penal de Paris. Lamine Diack está sendo processado por corrupção, abuso de confiança e lavagem de dinheiro em associação com gangues organizadas, principalmente por seu suposto envolvimento em um sistema de corrupção destinado a proteger atletas russos que recorreram ao doping. 

Publicidade

Cinco outras pessoas estão envolvidas no processo, entre elas seu filho Papa Massata Diack, ex-consultor de marketing da IAAF.

Após vários adiamentos, as discussões finalmente começaram nesta segunda-feira. No entanto, o advogado parisiense de  Papa Massata Diack tentou inicialmente adiar novamente o início do julgamento, com o argumento de que os dois advogados senegaleses de seu cliente estão atualmente bloqueados em Dakar por causa da pandemia do coronavírus.

O pedido foi indeferido pelo tribunal que alegou que o período de julgamento tinha de ser respeitado e que, juridicamente, apenas um advogado seria suficiente para assegurar a defesa de Papa Massata Diack. Foi lembrado ainda que que o acusado ainda está foragido, apesar de um mandado de prisão internacional .

As discussões começaram na presença de Lamine Diack. O ex-dirigente senegalês, de 87 anos, lembrou que tinha problemas de saúde e se instalou ao lado da barra do tribunal para ouvir o longo relato dos fatos. "Devido aos meus problemas auditivos, é mais fácil ouvi-los", disse sorrindo à presidência do júri.

Também sentaram no banco dos réus seu ex-advogado Habib Cissé e Gabriel Dollé, ex-chefe do serviço médico e antidoping da IAAF. Dois réus russos, assim como Papa Massata Diack, não compareceram ao julgamento.

O tribunal decidiu primeiro abordar as denúncias de corrupção. Lamine Diack e os outros réus são  acusados ​​de terem extraído um total de quase ‎€3,5 milhões de atletas russos para remover seus nomes da lista de atletas suspeitos e, assim, poderem continuar participando das competições.

O médico Gabriel Dollé é acusado de ter recebido das mãos de Lamine Diack e de seus filho, €190 mil para retardar os processos de sanção dos atletas.  Dollé e Habib Cissé devem começar a ser ouvidos também nesta segunda-feira. A audição de Lamine Diack é prevista para quarta-feira (10). 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.