Neymar supera polêmicas e lesões, muda comportamento e coloca PSG mais perto do sonho da Champions

Neymar parece estar finalmente à altura do investimento feito pelo PSG.
Neymar parece estar finalmente à altura do investimento feito pelo PSG. © REUTERS - CHRISTIAN HARTMANN

Em seu terceiro ano atuando pelo Paris Saint-Germain, Neymar está a dois jogos de conseguir realizar o tão cobiçado sonho da equipe francesa de conquistar, pela primeira vez na história, o título da Liga dos Campeões da Europa. Para isso, precisa vencer o Leipzig, da Alemanha, na semifinal desta terça-feira (18), e a grande final no domingo (23), no estádio da Luz, em Lisboa.

Publicidade

Tiago Leme, de Lisboa, especial para a RFI

Com grandes atuações, 19 gols e 11 assistências em 25 jogos disputados em 2019/2020, o atacante brasileiro vem sendo decisivo em uma temporada peculiar, que foi paralisada durante quatro meses por causa do novo coronavírus. No entanto, antes de colocar o PSG na semifinal da Champions League, o que não acontecia há 25 anos, quando o time contava com o ídolo Raí, Neymar teve que mudar de comportamento e reconquistar a torcida parisiense após momentos conturbados e lesões graves em suas duas primeiras temporadas pelo clube.

“Neymar chegou a Paris para ganhar a Bola de Ouro, chegou a Paris para ter o clube atrás dele, ter os franceses atrás dele. Ele teve tudo isso, mas não foi bem nos primeiros anos. O povo francês gosta do jogador, que respeita o clube, que tem sempre vontade de jogar, tem garra, como é a imagem do Cavani. O Neymar estava sempre naquela polêmica, cair, não cair. Agora, nessa temporada, ele está falando menos e jogando mais. Está menos nas redes sociais e está brilhando mais”, disse David Lopes, torcedor do PSG, francês que mora em Lisboa.

Quando chegou ao Paris Saint-Germain, em agosto de 2017, Neymar foi acolhido como uma grande estrela pela torcida no Parque dos Príncipes. O atacante chegou à capital francesa com o objetivo de levar o PSG ao topo da Europa. Na época, teve até seu nome projetado no Torre Eiffel. Contratado por € 222 milhões (mais de R$ 1,5 bilhão) do Barcelona, na transferência mais cara do futebol, o astro brasileiro fez uma promessa: “Eu vim para fazer história. Nosso objetivo maior é a Champions League, mas queremos ganhar tudo, vim para fazer história”.

As polêmicas começaram cedo, com o “Penaltygate”, como ficou conhecida sua briga para bater pênaltis no lugar do uruguaio Cavani, adorado pelos torcedores. Em campo, Neymar erguia troféus com o PSG, mas por duas vezes se lesionou quando o time mais precisava dele, na fase decisiva da Liga dos Campeões. O camisa dez fraturou o quinto metatarso do pé direito por dois anos seguidos. Com isso, ficou de fora do jogo de volta contra o Real Madrid, pelas oitavas de final, e no ano seguinte, também foi desfalque contra o Manchester United e viu das arquibancadas o PSG ser mais uma vez eliminado nas oitavas.

Craque tentou deixar o PSG e foi vaiado pelos torcedores

Infeliz na capital francesa, Neymar quis embora do PSG e voltar ao Barcelona. Negociou com o clube espanhol na metade de 2019, mas a diretoria do Paris fez jogo duro e não o liberou. Seu plano não deu certo e os torcedores, revoltados, vaiaram o craque em partidas dentro do próprio Parque dos Príncipes. Em setembro do ano passado, além das vaias, Neymar viu cartazes contra ele no estádio, no duelo contra o Strasbourg, quando fez o gol da vitória por 1 a 0 no último minuto.

“É triste, sei que agora vou jogar todos os jogos fora de casa (riso irônico). Era um desejo de sair, agora é uma página virada. Sou jogador do Paris e vou dar tudo em campo”, afirmou o atacante, na ocasião.

Outra polêmica: Neymar foi acusado de estupro por uma brasileira que o encontrou em um hotel de Paris. Revelou o caso nas redes sociais, onde tem mais de 140 milhões de seguidores, só no Instagram. Foi inocentado e voltou a se concentrar só no futebol, onde ainda não convenceu totalmente, como explicou o repórter esportivo do jornal Le Parisien, Dominique Séverac.

Neymar rebate críticas sobre sua atuação no PSG

Balanço insatisfatório

“Se deixarmos de lado o resultado final da Liga dos Campeões este ano, o balanço de Neymar no PSG é claramente insatisfatório. O clube pagou por sua pepita de ouro € 222 milhões e ainda não vimos o resultado desse investimento. Muitas lesões, muitos problemas fora de campo, como a história do suposto estupro no qual foi inocentado pela justiça brasileira. Muitos problemas e nada genial dentro de campo. O PSG não contratou o Neymar para ganhar as competições na França. Não precisa dele para isso. É nos gramados europeus que o PSG precisa dele. E ele sempre esteve machucado ou suspenso. Sempre teve problemas. Até agora, o balanço é insatisfatório e frustrante. Não temos o Neymar do Barcelona e é isso que os parisienses lamentam”, disse o jornalista francês.

A tentativa frustrada de ir ao Barcelona, porém, parece ter feito Neymar mudar seu comportamento. Mais focado, longe de polêmicas, sem lesões e com bom desempenho dentro de campo, o craque brasileiro está fazendo a sua melhor temporada pelo PSG. O jornalista francês Eric Frosio, que mora no Rio de Janeiro e escreveu o livro “Neymar, o Príncipe do Brasil”, destaca essa reviravolta na postura do jogador, que é amado por alguns e odiado por outros.

Esquecendo a "ex-namorada"

“Acho que o Neymar está bem mais focado, mais comprometido esta temporada. Não lembro de nenhuma polêmica, nenhum escândalo em relação ao comportamento dele. Acho que a acusação de estupro ano passado, uma polêmica grave, serviu de lição pra ele. O Neymar está se acalmando, está com 27 anos, está saindo um pouco menos, está com a cabeça mais focada no trabalho dele, que é jogar futebol”, disse o jornalista e escritor. “Acho também que ele está cada vez esquecendo mais a ex-namorada, vamos dizer assim, que é o Barcelona. Acho que ele está pronto para um novo namoro, que é o PSG. Demorou para acontecer, mas parece que agora o Barcelona faz parte do passado e ele está realmente muito focado e pronto para fazer história com o PSG”, destacou Frosio.

“Se ele fizer o PSG vencer a Champions, claro que vai entrar na história do clube, vai ser considerado um dos maiores, se não o maior ídolo do clube. Por enquanto é o Raí que tem essa posição, mas o Raí nunca chegou a uma final da Champions ou a levantar a taça. O Neymar está bem posicionado para mudar isso, faltam só dois jogos”, avaliou o jornalista.

A vitória sofrida contra a Atalanta, da Itália, por 2 a 1 nos acréscimos, nas quartas de final na quarta-feira (12), renovou uma esperança que Neymar disse nunca ter perdido.

"Foi uma grande noite, estou muito contente pela equipe, pela performance de acreditar até o final, está todo mundo de parabéns. Eu tive duas chances de fazer um gol, mas não fui tão caprichado. Mas consegui fazer a jogadas dos outros gols, então estou muito contente, muito feliz e espero que isso possa servir de ânimo para a nossa equipe, que a gente possa continuar na competição", disse o camisa dez.

A sequência vai ser em estádios vazios, longe do apoio dos torcedores. Mas caso leve o Paris Saint-Germain a erguer o troféu da Champions no próximo domingo em Portugal, Neymar pode se preparar para a festa que os torcedores franceses já mostraram que sabem fazer.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.