PSG x Leipzig: há poucos no mundo capazes de segurar Neymar e Mbappé, diz ex-campeão francês

Neymar e Mbappé: a dupla pode dar a tão sonhada classificação do PSG à final da Liga dos Campeões.
Neymar e Mbappé: a dupla pode dar a tão sonhada classificação do PSG à final da Liga dos Campeões. David Ramos/Pool via REUTERS TPX IMAGES OF THE DAY

O Paris Saint-Germain enfrenta o RB Leipzig na primeira semifinal da Liga dos Campeões da Europa, nesta terça-feira (18), às 16h pelo horário de Brasília, 20h em Lisboa. Para a imprensa francesa, o clube dos brasileiros Thiago Silva, Marquinhos e Neymar é o grande favorito, apesar do histórico de eliminações no torneio.

Publicidade

Fazia 25 anos que o Paris Saint-Germain não alcançava esta fase da competição. "A oportunidade é única e o PSG não pode perder", resume o ex-lateral esquerdo Bixente Lizarazu, que foi jogador da seleção francesa e campeão do mundo contra o Brasil, em 1998.

Lizarazu, agora comentarista de futebol para a rádio pública francesa (Radio France), nota que o PSG teve um percurso mais favorável nesta temporada e não pode desperdiçar a ocasião de passar à final, principalmente por contar com "dois jogadores excepcionais, que estão em grande forma nesse momento, Neymar e Mbappé".

Para Lizarazu, os atacantes parisienses são o trunfo número um do clube da capital. “Se tivermos que comparar Leipzig e Paris Saint-Germain, acho que o Leipzig tem uma equipe mais sólida e estruturada e o PSG teve algumas dificuldades com o Bergamo, principalmente no meio campo”, analisa. “Mas o que fez a diferença foi a qualidade técnica do Neymar e a entrada do Mbappé. O segredo da partida, hoje, será limitar a influência desses dois jogadores. E poucos são capazes de fazer isso", acredita o ex-lateral esquerdo.

O clube alemão é novo nessa fase da competição, o que também pode ser explorado como uma vantagem pelos franceses. “O Leipzig é o clube de uma marca, a Red Bull, que conseguiu montar um projeto esportivo coerente. É uma equipe treinada por um técnico jovem e muito talentoso, Julian Nagelsmann, que é brilhante taticamente e preparou um elenco atlético", pondera Lizarazu. Mas falta ao Leipzig craques com o talento de Neymar e Mbappé, insiste o ex-campeão francês.

Com o retorno de Di Maria (suspenso na partida anterior contra o Bergamo) e a provável titularização de Mbappé (que entrou em campo contra os italianos), o PSG tem todas as chances de dominar o Leipzig. "A equipe está claramente melhor armada do que nas quartas de final", diz a redação do site sportsfr.

Di Maria tem mais uma ocasião de brilhar no Estádio da Luz, local de seus maiores sucessos. No Benfica, o argentino surpreendeu os torcedores lisboetas durante três temporadas (2007-2010), além de conquistar no mesmo gramado a sua única Liga dos Campeões pelo Real Madrid em 2014.

A magia de Di Maria será necessária para superar o desfalque do goleiro Keylor Navas, que sofreu uma contusão no jogo contra o Bergamo. O PSG contava com a experiência do triplo vencedor da Liga dos Campeões (2016, 2017, 2018) para conquistar sua primeira qualificação à final, e terá de apostar no goleiro espanhol Sergio Rico, emprestado do Sevilha até o final de agosto.

O jornal L'Equipe lembra que o PSG venceu as três últimas partidas da fase eliminatória da Copa da Europa contra adversários alemães (3/3) e marcou nas últimas 33 partidas disputadas na Liga dos Campeões. "O clube francês está a um ponto do recorde que pertence ao Real Madrid (34 entre 2011 e 2014)", destaca o jornal esportivo.

Desde sua estreia na competição de elite, na temporada 2013-2014, Neymar deu mais assistências na Liga dos Campeões do que qualquer outro jogador (23), prossegue L'Equipe.

O RB Leipzig está invicto nos últimos sete jogos da Champions (5 vitórias e 2 empates), depois de perder quatro dos primeiros oito jogos na competição (3 vitórias, 1 empate). Por outro lado, o técnico Nagelsmann, 33 anos, pode se tornar o treinador mais jovem a chegar à final do torneio, batendo então o recorde de Didier Deschamps, que levou o Mônaco à final em 2004, quando tinha 35 anos.

“Os meus jogadores estão muito calmos. Em campo, somos muito fortes. Tenho a impressão que estamos prontos, estamos com sede de vitória", declarou o técnico do PSG, Thomas Tuchel. "Para nós, não é uma coisa histórica, é uma semifinal, estamos aqui para ganhar", disse o alemão.

Para os dirigentes e torcedores do clube, a conquista do troféu da Champions seria histórica, além de ser um presente inesquecível no ano em que o clube parisiense celebra 50 anos de fundação.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.