Acessar o conteúdo principal

Nuvens e incertezas marcam abertura do Tour de France 2020

Sob nuvens e com máscaras, foi dada a largada da 107a. edição da competição de ciclismo mais conhecida do mundo, o Tour de France, Nice, 29 de agosto de 2020.
Sob nuvens e com máscaras, foi dada a largada da 107a. edição da competição de ciclismo mais conhecida do mundo, o Tour de France, Nice, 29 de agosto de 2020. KENZO TRIBOUILLARD / AFP
Texto por: RFI
4 min

As nuvens que cobriam o céu sobre o Tour de France não se resumiam ao clima: neste sábado (29) em Nice foi dada a largada para a 107ª edição da competição, num contexto de saúde complicado que obrigou a uma redução drástica do número de espectadores nas zonas de largada e de chegada.

Publicidade

O diretor do Tour, Christian Prudhomme, baixou a bandeira da primeira etapa (156 km) para os 176 ciclistas concorrentes, mais do que nunca sob a ameaça do novo coronavírus, até o final da competição, marcado para 20 de setembro em Paris.

Com máscaras, os ciclistas da primeira fileira, na qual estava o atual campeão, o colombiano Egan Bernal, ouviram o hino francês antes do desfile do pelotão, escoltados por duas fileiras de espectadores também mascarados.

Na manhã deste sábado, as 22 equipes souberam que foi mantida a regra que prevê a expulsão de uma equipe inteira caso haja dois casos positivos de Covid-19 em sete dias em seu grupo, incluindo os dirigentes.

Na sexta-feira (28), a União Internacional de Ciclismo havia sugerido um relaxamento desta medida, limitando-a apenas aos testes positivos dos pilotos, mas as autoridades francesas permaneceram em sua posição inicial.

"Ninguém sabe o que vai acontecer"

A decisão, que não prejudica a participação da equipa belga Lotto (cujos casos positivos ocorreram há dias), foi tomada pela célula de crise interministerial. O departamento francês onde acontecerão as duas primeiras etapas do Tour, Alpes-Maritimes, está na zona vermelha, com circulação ativa do vírus.

A incerteza é maior do que nunca no início deste Tour sob vigilância.

“Ninguém sabe o que vai acontecer, mas vamos tentar chegar a Paris”, resumiu nesta sexta-feira David Brailsford, chefe da equipe Ineos, vencedor em sete das últimas oito edições do 'Grande Boucle'.

Na largada, o ministro da Educação francês encarregado dos Esportes, Jean-Michel Blanquer, considerou "muito fraca" a hipótese de suspensão da prova antes do seu final. Mas "esse tipo de coisa pode acontecer", ele reconheceu um dia após o anúncio de mais de 7.000 novos casos de contágio detectados na sexta-feira (28) nas últimas 24 horas na França. "Mas acho que não vai acontecer porque realmente há um trabalho extraordinário feito pelos organizadores do Tour."

A única certeza é que esta 107ª edição é diferente de todas as outras devido às medidas específicas adotadas pelo público, que ficou sem selfies e autógrafos, pela obrigação de usar máscara e com a mídia longe.

Risco de tempestade

Bernal e o esloveno Primoz Roglic, os dois principais favoritos, estão como os restantes participantes numa bolha de cerca de 700 pessoas que inclui corredores e todos os que precisam estar ao seu lado (directores, massagistas, cozinheiro etc.).

O colombiano de 23 anos foi coroado "líder absoluto" da equipe Ineos por Brailsford, que convocou o equatoriano Richard Carapaz e deixou de fora dois ex-campeões (Chris Froome e Geraint Thomas).

Ex-Sky Ineos precisará ficar de olho na emergente potência holandesa Jumbo, que montou uma equipe no mesmo nível em torno de Roglic e seu segundo, o holandês Tom Dumoulin.

Durante a primeira semana, o percurso, muito dinâmico, multiplica as opções de ataques na travessia pelo sul da França que passa pelos Alpes antes dos Pirineus, no fim de semana seguinte. Mas, enquanto aguardam as primeiras subidas de domingo (30) nos arredores de Nice, a gosto do francês Julian Alaphilippe, o homem que fez sonhar seus compatriotas em julho de 2019, são os velocistas que pretendem vestir a primeira camisa amarela.

O australiano Caleb Ewan, vencedor de três etapas no ano passado, o irlandês Sam Bennett e o italiano Giacomo Nizzolo, campeão europeu em chamas, partem entre os favoritos à vitória nesta etapa inaugural que já se anuncia com forte risco de tempestade.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.