Covid-19: Autoridades locais pedem que tocha olímpica não passe por Osaka

O revezamento da tocha olímpica deve evitar a grande cidade de Osaka (oeste do Japão), devido a um novo aumento dos contágios por coronavírus, disseram o governador local e o prefeito nesta quinta-feira (1º).
O revezamento da tocha olímpica deve evitar a grande cidade de Osaka (oeste do Japão), devido a um novo aumento dos contágios por coronavírus, disseram o governador local e o prefeito nesta quinta-feira (1º). AP - Kim Kyung-Hoon

O revezamento da tocha olímpica deve evitar a concentração urbana de Osaka (oeste do Japão), devido a um novo aumento dos contágios por coronavírus, disseram o governador local e o prefeito da cidade nesta quinta-feira (1º).

Publicidade

"Penso, pessoalmente, que o revezamento da chama olímpica na cidade de Osaka deve ser anulado", afirmou o governador Hirofumi Yoshimura, destacando que "os pedidos para saídas não essenciais e urgentes [da população] devem ser escrupulosamente respeitados durante o período das medidas mais estritas".

O prefeito Ichiro Matsui também pediu que o revezamento evite a cidade. "É muito triste que o revezamento da chama olímpica tenha de ser anulado", declarou ele ao jornal Nikkei.

Após as declarações do governador e do prefeito de Osaka, a organização dos Jogos de Tóquio afirmou que adiará o anúncio dos portadores da tocha, assim como os detalhes do trajeto na prefeitura de Osaka. O anúncio estava previsto para ocorrer nesta quinta-feira. "Continuaremos tendo conversas com as autoridades municipais de Osaka sobre os revezamentos da chama olímpica e nos esforçaremos para anunciar o resultado o quanto antes", explicaram os organizadores.

O governo japonês se prepara para impor novas medidas para enfrentar a epidemia de Covid-19 em algumas áreas de Osaka e em outras duas regiões.

Novas restrições

O revezamento da chama olímpica começou em 25 de março em Fukushima (nordeste do Japão). Os organizadores esperam que esse ritual ajude a criar entusiasmo em torno do evento esportivo, duramente atingido pela crise global de saúde. Inicialmente, a proposta era que a chama atravessaria o departamento de Osaka em 13 e 14 de abril, começando pela cidade de Sakai e terminando em Osaka.

Durante o trajeto, as regras exigem que os espectadores usem máscara e evitem torcer pelos atletas que desfilam com a tocha. A organização garantiu que etapas poderão ser anuladas, se houver risco de aglomeração. Nos últimos dias, os casos de infecção pelo coronavírus aumentaram nos departamentos de Osaka, Hyogo (oeste) e Miyagi (nordeste).

Nas próximas horas, o governo vai anunciar oficialmente novas restrições nessas regiões. Isso permitirá às autoridades locais solicitar a alguns estabelecimentos comerciais que antecipem seu horário de fechamento, sob pena de multa.

Adiadas por um ano devido à pandemia, as Olimpíadas de Tóquio serão realizadas de 23 de julho a 8 de agosto.

Pela primeira vez na história olímpica, não haverá espectadores estrangeiros neste evento, na tentativa de limitar os contágios por coronavírus. É provável que limites sejam impostos nas sedes dos Jogos para os torcedores que vivem no Japão.

Com informações da AFP

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.