"PSG heróico!": imprensa francesa vibra com vitória do time parisiense sobre o Bayern

Debaixo de neve, os franceses conquistaram uma ótima vantagem em um jogo espetacular: o PSG venceu o Bayern de Munique por 3 a 2, na quarta-feira (7), pela Liga dos Campeões.
Debaixo de neve, os franceses conquistaram uma ótima vantagem em um jogo espetacular: o PSG venceu o Bayern de Munique por 3 a 2, na quarta-feira (7), pela Liga dos Campeões. © Fotomontagem RFI/Adriana de Freitas

Uma vitória "a ser degustada gelada", diz o diário esportivo francês L'Équipe sobre a vitória de 3 a 2 do Paris Saint-Germain sobre o Bayern na noite de quarta-feira (7), em Munique, debaixo de neve, pela Liga dos Campeões. O jornal Le Parisien chama o time de "heróico" e diz que ele "faz milagres". Já o Le Figaro fala em "ataque sublime". O jogo de volta será na próxima terça-feira, 13 de abril, em Paris. 

Publicidade

"Heróico" foi também a definição do site Le Figaro/Sport 24 para o ataque do PSG. Com dois gols de Mbappé (aos 3 e 23 min do 2° tempo) e um de Marquinhos (aos 28 minutos), o clube parisiense voltou a empolgar críticos e torcedores. O goleiro costa-riquenho Keylor Navas segurou um bombardeio de finalizações dos alemães e assegurou a ótima vantagem ao PSG. Já o campeão do mundo Manuel Neuer, goleiro do Bayern, deixou passar muitas bolas.  

Depois de ter sido expulso contra o Lille no sábado (3), Neymar celebrou sua volta aos gramados europeus com uma atuação celebrada pelos críticos. As duas assistências foram belas jogadas, especialmente a segunda, para Marquinhos, aos 28 minutos do primeiro tempo, lançando com a canhota.

L'Équipe destacou o esquema tático do PSG: "Mauricio Pochettino alinhou seus três jogadores mais técnicos (Neymar, Di Maria, Draxler) atrás de Mbappé com duas consequências nas jogadas ofensivas: 1- Uma boa qualidade de 'lançamento' em profundidade, superando as ausências de Marco Verratti e Leandro Paredes, além de Alessandro Florenzi. 2- Capacidade de resistir à pressão do Bayern quando perdiam a bola ou quando armavam um contra-ataque".

Para a imprensa alemã, a derrota foi uma piada

Já a imprensa alemã, que destacou o fato de o Bayern ter ido melhor (foram 31 finalizações contra 6 do PSG), classificou a derrota do time de Munique como "uma piada" e até como "um presente de Páscoa atrasado (para o PSG)". 

O Frankfurter Allgemeine Zeitung resumiu: “As coisas mudaram desde a final de Lisboa, há oito meses. Mas uma coisa não mudou durante esses extraordinários oito meses de coronavirus: não deixe Kylian Mbappé e Neymar entrarem em campo. O Bayern encontra-se ameaçado de abandonar a Liga dos Campeões nas quartas-de-final. O time não conseguiu parar Mbappé, que marcou dois gols.”

O Suddeutsche Zeitung sublinhou: “No espetáculo de inverno, o Bayern perdeu a primeira partida das quartas-de-final contra o Paris por 2-3. Quase tudo que funcionou no duelo final do ano passado, desta vez, falhou", lamenta o jornal do sul da Alemanha.

Die Welt foi mais longe: “Os atuais campeões agora correm o risco de ser eliminados prematuramente, principalmente porque foram negligentes. É um presente tardio de Páscoa que o Bayern deu aos seus adversários. Se perderam nas melhores oportunidades de ataque, ajudaram a sofrer todos os gols com o seu comportamento defensivo irregular”.

Por fim, o Focus online lança crííticas sobre os bávaros: "O Bayern foi melhor que o PSG: esta derrota é uma piada (...) mas falhou devido à sua atípica incapacidade de converter as suas oportunidades em gols e à sua conhecida fraqueza defensiva". 

"Neuer nem sempre merece elogios"

Em entrevista reproduzida pelo Le Parisien, o treinador do Bayern de Munique diz que continua otimista. Hans-Dieter Flick se expressou após o jogo: “Dominamos a partida". "Tenho de elogiar a minha equipe pelo estilo de jogo, pelo estado de espírito. Ainda temos um jogo em Paris. Vamos nos concentrar em reverter o resultado. Essa derrota não muda nossa mentalidade", garantiu.

Questionado sobre os gols de Mbappé e Marquinhos, ele explica: “Quando você sofre gols, você erra, falha. Poderíamos ter evitado os três gols, o que dói ainda mais. Não podemos mais mudar o resultado, mas espero que possamos alterá-lo na próxima terça-feira", diz, confiante. "Poderíamos ter marcado mais quatro ou cinco gols", continua. 

"Faremos tudo para devolver este resultado. O Paris Saint-Germain é uma equipe muito forte, mas podemos vencê-los, podemos criar dificuldades para eles, queremos aproveitar a partida de volta. Podemos ser eficientes na próxima terça", afirmou em referência ao jogo no Parc des Princes. 

Flick não acusou Manuel Neuer, considerado culpado pela falha no primeiro gol do PSG : “Acontece que o goleiro não para todas as bolas. O chão estava escorregadio. Manuel nem sempre recebe elogios", fiinalizou o técnico do time alemão. 

Em outra matéria sobre o jogo, Le Parisien diz que, enquanto aguarda o jogo de volta, "o PSG se dá o direito de sonhar" com a vaga para as semifinais da competição. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.