Acessar o conteúdo principal
Economia/Europa

British Airways e Iberia anunciam fusão

Apesar da fusãos, a British Airways e a Iberia vão continuar a usar suas marcas já existentes.
Apesar da fusãos, a British Airways e a Iberia vão continuar a usar suas marcas já existentes. ©Reuters
6 min

O acordo de U$ 8 bilhões encerra quase dois anos de tensas negociações entre as companhias britânica e espanhola. Juntas, British Airways e Iberia vão formar uma das maiores companhias aéreas do mundo, com uma frota de 419 aviões e capacidade para transportar 62 milhões de passageiros por ano.  

Publicidade

As companhias aéreas British Airways e Iberia oficializaram nesta quinta-feira uma fusão, selando um protocolo de acordo firmado em novembro do ano passado

O negócio, feito a partir da troca de ações, dá origem à segunda maior companhia aérea europeia, pesando mais de € 6 bilhões na Bolsa de Valores, atrás apenas da alemã Lufthansa e à frente da KLM-Air France.

Apesar do acordo, British Airways a Iberia vão continuar operando com suas respectivas marcas. O que deve mudar na prática é que passageiros poderão usufruir de uma rede ampliada de voos, com cerca de 200 destinos ao redor do mundo. As duas empresas são consideradas por analistas como uma boa combinação, pois possuem redes de voo relativamente distintas.

A previsão de faturamento anual é em torno de € 15 bilhões.  Os acionistas da British terão 55% das ações e os da Ibéria, 45%.

O próximo passo é o sinal verde da Comissão Europeia e a aprovação dos acionistas, o que deve ocorrer sem problemas.  A fusão, que deve ser concluída até o fim do ano, tem como objetivo reduzir perdas anuais das duas empresas estimadas em U$1 bilhão. Mas a expectativa é economizar US$ 500 milhões em um prazo de 5 anos.

Mais parcerias

As negociações oficiais entre as duas companhias começaram em julho de 2008, depois de uma tentativa frustrada da compra da Iberia pelo fundo de capital e investimentos Texas Pacific, em 2007.
A sede da nova empresa será em Londres. O nome genérico da holding, International Airlines Group”, indica que novas empresas poderão integrar o grupo no futuro.

Guilherme Kfouri, correspondente da RFI em Londres

Segundo analistas, as duas companhias já iniciaram negociações para uma parceria comercial com a American Airlines.

As duas empresas vão usar a sinergia proporcionada pela fusão para oferecer serviços mais competitivos a passageiros. Nos últimos anos a British Airways e a Iberia vem sofrendo forte competição de companhias de baixo custo, como a Ryan Air e a EasyJet.

Apesar do acordo, British Airways a Iberia vão continuar operando com suas respectivas marcas. O que deve mudar na prática é que passageiros poderão usufruir de uma rede ampliada de voos, com cerca de 200 destinos ao redor do mundo. As duas empresas são consideradas por analistas como uma boa combinação, pois possuem redes de voo relativamente distintas.

Acionistas das duas empresas terão que voltar pela fusão em novembro, mas a Iberia ainda tem o direito de pedir o cancelamento caso a British Airways não ofereça um plano de restruturação do seu fundo de pensão, que tem déficit de U$4,5 bilhões.

O acordo também preocupa os sindicatos, que temem cortes. A última greve de funcionários das British Airways causou prejuízos de U$45 milhões à companhia.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.