Europa/terrorismo

Risco de atentado na Europa continua elevado, afirmam autoridades

Caminhões transportando matérias para as tropas da OTAN, foram atacados na periferia de Queira no Afeganistão.
Caminhões transportando matérias para as tropas da OTAN, foram atacados na periferia de Queira no Afeganistão. Reuters

Os governos europeus evitam o alarmismo, mas as declarações sobre um possível ataque terrorista no continente se multiplicam. O Ministério das Relações Exteriores Francês pediu cautela aos turistas no Reino Unido. O ministro alemão do interior, Thomas de Maizière, também admitiu que o país pode ser alvo de atentados.

Publicidade

A ameaça de um ataque terrorista continua preocupando os governos europeus, que pedem cautela à população, mas evitam o alarmismo excessivo. O ministro alemão do interior, Thomas de Maizière, declarou nesta quarta-feira que não vê indícios de um ataque terrorista iminente contra o país, mas admitiu que a Alemanha pode ser alvo de atentados. Já o Ministério francês das Relações Exteriores publicou nesta terça-feira, em sua página na Internet, um comunicado indicando que o nível de ameaça terrorista é elevado no Reino Unido, pedindo que seus cidadãos tomem certas precauções em visita ao país, principalmente no transporte coletivo e em pontos turísticos.

As declarações são uma resposta ao alerta lançado no domingo pelas autoridades britânicas e americanas, que pediram aos cidadãos que sejam prudentes durante viagens à França e à Alemanha. Nesta quarta-feira, o embaixador do Paquistão nos Estados Unidos afirmou que os ataques contra as zonas tribais no país estão ligado a recentes descobertas de supostos projetos de atentados da Al-Qaeda na Europa.

Desde setembro, a CIA, a Agência Central de Inteligência norte-americana, intensificou consideravelmente as operações com aviões teleguiados, os chamados drones, nas zonas tribais na fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão, visando rebeldes talibãs. As autoridades paquistanesas registraram 24 ataques com aviões teleguiados em seu território desde o dia 3 de setembro, que causaram a morte de 140 pessoas.

Em um desses ataques, feito na última segunda-feira na região do Waziristão, norte do Paquistão, 8 extremistas islâmicos foram mortos, entre eles 5 de nacionalidade alemã. Segundo informações divulgadas pela BBC, um britânico, que também foi morto em uma operação com aviões teleguiados no início de setembro, deveria assumir a direção de um braço da rede Al Qaeda na Grã Bretanha, com a missão de cometer atos terroristas na Europa.

Os Estados Unidos e os serviços secretos europeus consideram as zonas tribais do Paquistão como a região mais perigosa do mundo. São nessa áreas que a rede terrorista Al Qaeda, com a ajuda de talibãs paquistaneses, treina seus combatentes e kamikazes para cometer atentados, principalmente nos Estados Unidos e Europa.

O Movimento dos Talibãs do Paquistão é o principal responsável de uma série de cerca de 400 ataques terroristas que, em 3 anos, deixaram 3.700 mortos no Paquistão.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.