Crise/Grã-Bretanha

Governo britânico anuncia drástico plano de austeridade

O plano de austeridade para equilibrar as finanças do Reino Unido será anunciado pelo ministro das Finanças, George Osborne (3° à direita).
O plano de austeridade para equilibrar as finanças do Reino Unido será anunciado pelo ministro das Finanças, George Osborne (3° à direita). Reuters

O anúncio dos cortes no orçamento na Grã-Bretanha será feito na tarde desta quarta-feira pelo ministro das Finanças, George Osborne. A imprensa britânica de hoje está preocupada e antecipa que 500 mil postos no funcionalismo público irão desaparecer.

Publicidade

Os principais jornais britânicos elevam o tom de preocupação em suas capas desta quarta-feira, dia do anúncio de drásticos cortes no orçamento do governo. O jornal The Times adianta que serão cortados quase 500 mil postos de trabalho no setor público entre 2014 e 2015, uma informação vazada por uma gafe do secretário do Tesouro, Danny Alexander. Ele se deixou fotografar com o relatório nas mãos justamente mostrando a página que detalha os cortes.

O The Guardian destaca que a rede de televisão pública britânica BBC também vai sofrer com uma redução de 16% no seu orçamento. Já o jornal The Herald traz na manchete os prejuízos para o setor de defesa. O nosso correspondente em Londres, Guilherme Kfoury, nos traz outras informações:
 

Em discurso no Parlamento, o primeiro-ministro David Cameron deu detalhes sobre o corte de 8% no orçamento militar para os próximos quarto anos. Pressionado pelo maior rombo no orçamento público registrado na Grã-Bretanha desde a Segunda Guerra Mundial, o premiê britânico anunciou o corte de 42 mil empregos militares e civis.
 

A decisão causou polêmica entre militares reformados e especialistas em defesa. Mas David Cameron garantiu que pelo menos as operações militares no Afeganistão não serão afetadas. Ele rapidamente rebateu as críticas, culpando o partido trabalhista pela atual situação. “Pior do que gastar o dinheiro que não se tem, é gastá-lo comprando coisas erradas e o fazendo de maneira incorreta”, disse Cameron.
 

Ele fez referência à construção de dois porta-aviões encomendados pelo governo anterior. Segundo Cameron, abandonar o projeto custaria mais caro do que os próprios navios.O líder trabalhista, Ed Milliband, criticou o premiê dizendo que o plano de cortes foi preparado às pressas e representa uma oportunidade perdida.
 

Plano de austeridade

As trocas de acusações marcam o clima tenso que antecede o discurso do ministro das finanças George Osborne, nesta quarta-feira. Osborne vai apresentar os detalhes de um plano de austeridade para economizar 83 bilhões de libras nos próximos quarto anos. O partido conservador quer reduzir o déficit de 11% do PIB (Produto Interno Bruto) para apenas 2% em 2015. Dados divulgados esta manhã confirmam a gravidade da situação econômica no país. Em setembro, o déficit publico aumentou surpreendentemente e atingiu 20,7 bilhões de libras.
 

São esperados cortes em benefícios sociais e punição mais rigorosa para os que tentam fraudar o sistema. Também estão previstos cortes no funcionalismo público. O secretário do tesouro, Danny Alexander, foi fotografado com um documento que prevê a redução de 500 mil empregos no setor público, porém nenhum corte deve afetar o sistema de saúde.
 

Em nota publicada no jornal The Telegraph, 35 empresários endossaram a iniciativa do governo de cortar gastos para reduzir o déficit. Para os líderes do partido trabalhista, no entanto, os cortes são motivados por razões ideológicas e não econômicas. Segundo eles, os planos de Osborne podem colocar a Grã-Bretanha novamente em recessão.

Guilherme Kfouri , correspondente da RFI em Londres

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.