Itália

Crise do lixo se agrava em Nápoles

A situação do lixo é crítica nas ruas de Nápoles.
A situação do lixo é crítica nas ruas de Nápoles. Reuters

A situação continua tensa em Terziano, na região metropolitana de Nápoles, onde moradores protestam há vários dias contra a abertura de um novo lixão em uma área de proteção ambiental. Três jovens foram presos nesta madrugada, depois de entrar em confronto com policiais.

Publicidade

A situação continua tensa na região metropolitana de Nápoles, onde moradores ergueram barricadas nas ruas, incendiaram carros e atacaram a polícia com pedras e rojões na localidade de Terziano. Revoltados, os moradores querem o fechamento do lixão público da cidade e impedir a abertura de um segundo aterro sanitário. Três jovens foram detidos na madrugada desta segunda-feira, após um grupo ter cercado duas viaturas policiais chamadas para evitar novos protestos violentos.

Lisa Maria Silva, Correspondente da RFI em Roma

Os prefeitos locais rejeitaram um acordo com o chefe da Proteção Civil que previa uma suspensão de três dias no despejo de lixo no depósito e o adiamento da abertura do novo aterro, localizado em uma área de proteção ambiental nas proximidades do vulcão Vesúvio. Eles pedem a retirada total do projeto, alegando problemas sanitários e ambientais. As discussões serão retomadas nesta terça-feira.

A prefeitura de Nápoles não completou as obras para o pleno funcionamento do único centro de reciclagem existente na região. Segundo a imprensa italiana, durante muitos anos, a máfia napolitana se infiltrou no lucrativo mercado de reciclagem do lixo local. A crise atual do lixo na região de Nápoles é considerada menos grave do que a dos anos de 2007 e 2008, que contribuiu para a vitória de Silvio Berlusconi nas eleições legislativas e para sua volta ao poder na Itália. Na última sexta-feira, o primeiro-ministro prometeu intervir para resolver o problema em dez dias.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.