Acessar o conteúdo principal
Itália/Battisti

Caso Cesare Battisti divide intelectuais europeus

Caso Battisti provoca polêmica entre intelectuais europeus.
Caso Battisti provoca polêmica entre intelectuais europeus. RFI
Texto por: Adriana Moysés
3 min

Para o escritor Antonio Tabucchi, a posição de certos intelectuais franceses, que apoiam Battisti sem conhecer detalhes de seu processo, é um ‘escandâlo.’  

Publicidade

O caso Cesare Battisti está provocando polêmica entre intelectuais europeus. Alguns dos escritores italianos que apoiam o ex-militante da extrema esquerda preso no Brasil estão sendo boicotados na Itália. Há dez dias, o escritor italiano Antonio Tabucchi, um especialista na obra de Fernando Pessoa, publicou no jornal francês Le Monde um artigo, considerando um escândalo a posição de certos intelectuais franceses, que defendem Battisti sem conhecer detalhes do processo judicial e do julgamento que condenou o ex-militante à prisão perpétua na Itália.

No texto, Tabucchi culpa os intelectuais franceses de terem distorcido o caso na mídia, em nome de uma concepção filosófica restrita e pequeno-burguesa. Um dos alvos de Tabucchi é a escritora de romances policiais Fred Vargas, pesquisadora em arqueologia no Centro Nacional de Pesquisas Científicas da França. Em um artigo publicado na edição datada de quinta-feira do Le Monde, Fred Vargas, também historiadora, dá a resposta.

A escritora afirma dispor de elementos que provam que a justiça italiana utilizou documentos falsificados para incriminar Battisti. Ela cita, por exemplo, três procurações falsas, duas datadas de 1982 e uma de 1990, de dois supostos advogados de Battisti, que teriam representado o ex-militante em processos que levaram à sua condenação por assassinato. Segundo Fred Vargas, Battisti nunca enviou essas procurações à justiça italiana, por só ter tomado conhecimento dos processos oito anos mais tarde.

A escritora francesa critica o juiz de instrução italiano Armando Spataro, responsável pelas investigações, que teria manipulado testemunhas e advogados. Ela lembra que até hoje nenhuma prova material de envolvimento de Battisti nos assassinatos foi encontrada. Fred Vargas insiste que o ex-militante foi condenado com base nas acusações de militantes arrependidos do grupo Proletários Armados pelo Comunismo. O principal deles é Pietro Mutti, líder do grupo. Na opinião da escritora, Mutti jogou nas costas de Battisti todos os crimes cometidos pela organização.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.