Imigração/ europa

Sarkozy e Berlusconi pedem mudanças em tratado europeu

Berlusconi e Sarkozy pediram que o Tratado de Schengen sofra modificações, prevendo casos excepcionais.
Berlusconi e Sarkozy pediram que o Tratado de Schengen sofra modificações, prevendo casos excepcionais. Reuters
Texto por: RFI
3 min

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, anunciaram que enviaram hoje uma carta à Comissão Europeia e ao Conselho Europeu, pedindo que “examinem a possibilidade de restabelecer temporariamente os controles de fronteiras internas” dos estados-membros. Os dois líderes encontraram-se em Roma para tratar sobre o aumento da imigração ilegal vinda do norte da África.

Publicidade

"Schengen deve ser reformado. Nós queremos mais meios para que as fronteiras do espaço Schengen sejam garantidas", afirmou Sarkozy, em referência ao acordo que possibilitou o livre-trânsito de cidadãos entre as fronteiras dos 26 países signatários do tratado.

A carta conjunta foi endereçada ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, e ao presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, para pedir uma maior colaboração dos outros países europeus com os que se situam na parte sul do bloco, mais próximos da África. O texto argumenta que os controles fronteiriços devem voltar a acontecer “em caso de dificuldade excepcional na gestão das fronteiras externas comuns, em condições a serem definidas”.

Sarkozy e Berlusconi ainda afirmam, na carta, que “as pressões nas fronteiras comuns acarretam consequências no conjunto dos países-membros”. Eles avaliam que a próxima reunião do Conselho Europeu, em junho, deveria “tomar decisões concretas em resposta às dificuldades atuais” de imigração, como um acordo com os países africanos envolvidos – a Tunísia, o Egito e a Líbia.

Ao final da reunião, o francês e o italiano declararam que são “muito favoráveis” a modificações no Tratado de Schengen “em circunstâncias excepcionais”. "Em circunstâncias excepcionais, nós acreditamos que devem haver modificações no Tratado de Schengen, sobre as quais nós decidimos trabalhar juntos”, disse Berlusconi à imprensa.

Os dois governantes avaliam que o reforço da Frontex, a agência europeia encarregada das questões de imigração, é fundamental, assim como o apoio financeiro aos países que recebem mais imigrantes.

Situação da Síria preocupa

Além da questão da imigração, Sarkozy e Berlusconi também demonstraram preocupação com a violência na Síria, e pediram ao presidente Bachar el-Assad para “parar a repressão violenta” aos protestos contra o seu governo. “A situação está inaceitável. Não se deve enviar tanques e o Exército contra manifestantes”, afirmou o presidente francês, que ao mesmo tempo excluiu uma intervenção militar na Síria sem a aprovação da ONU, “o que não é fácil de se conseguir”.

Mais cedo, a porta-voz-adjunta do Ministério das Relações Exteriores da França, Christine Fages, havia declarado que “a França pede que medidas fortes sejam adotadas pelo Conselho de Segurança da ONU e pela União Européia para que cesse o uso da força contra a população” da Síria.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.