Portugal/Crise

Portugal anuncia cortes drásticos no orçamento para conter a crise

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho durante o anúncio das medidas de rigor.
O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho durante o anúncio das medidas de rigor. REUTERS/Hugo Correia

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho anunciou nessa sexta-feira, 3 de maio, uma série de medidas de redução das despesas do país. Para tentar sair da crise econômica, o governo decidiu aumentar a idade mínima da aposentadoria e o cortar de cerca de 30 mil funcionários públicos de seu orçamento. Portugal espera receber a aprovação dos credores internacionais e, com ela, mais uma parcela de ajuda financeira. 

Publicidade

O premiê Pedro Passos Coelho anunciou oficialmente a série de medidas que vinham sendo estudadas há meses. O corte de 30 mil dos 700 mil funcionários públicos do país por meio de planos de demissão voluntária é um dos pontos mais delicados do programa, que também conta com a mudança do número de horas de trabalho dos servidores, que passa de 35 a 40 horas semanas, e com o aumento da idade da aposentadoria para 66 anos. Os cortes devem acarretar uma economia de 4,8 bilhões de euros ao país até 2015.

O pacote conta com 12 medidas que, segundo o governo português, devem permitir ao país alcançar os objetivos impostos pela “troïka”. O grupo formado pela União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu exige que Lisboa reduza seu déficit público a 5,5% do Produto Interno Bruto (PIB) ainda esse ano, 4% em 2014 e 2,5% em 2015.

A aprovação dessas medidas pelos credores internacionais é uma condição para que Portugal receba uma nova parcela de ajuda financeira de 2 bilhões de euros prometida pela troïka. O pacote total para tentar tirar os portugueses da crise é de 78 bilhões de euros.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.