Acessar o conteúdo principal
Europa/Drogas

Ao menos 85 milhões de europeus já consumiram drogas

Consumo de drogas
Consumo de drogas Flickr/ robertoguglielmo
Texto por: RFI
2 min

O consumo de drogas ilícitas continua historicamente elevado na Europa, alertou nesta terça-feira, 28 de maio de 2013, o Observatório Europeu de Drogas e Toxicomania em seu relatório anual. O documento também ressalta que novas drogas sintéticas apareceram no último ano e representam novas ameaças.

Publicidade

O relatório anual do Observatório Europeu de Drogas e Toxicomania, sediado em Lisboa, indica que ao menos 85 milhões de adultos europeus já consumiram drogas pelo menos uma vez na vida. Um número considerado “historicamente elevado”. O estudo constata, no entanto, que o consumo de cocaína e maconha dá sinais de diminuição, assim como o número de consumidores de heroína e a utilização de seringas.

A maconha continua sendo a droga mais consumida em toda a Europa. Mais de três milhões de pessoas usam a droga todos os dias. Uma tendência importante detectada é o aumento das vendas da erva produzida em jardins ou fazendas de países europeus e a queda do produto proveniente de outros países. A segunda droga mais consumida no continente é a cocaína.

Essa é apenas uma das transformações verificadas no mercado da droga na Europa pelo Observatório. O setor está muito mais dinâmico, afirma o documento. No ano passado, 73 novas substâncias químicas psicoativas, vendidas principalmente pela internet, foram detectadas aumentando os riscos ligados ao consumo de drogas sintéticas. Em 2001, elas eram 49.

O relatório confirma a queda do consumo de heroína e da utilização de seringas, mas lamenta o surgimento de novos focos de infecção do vírus da Aids na Grécia e na Romênia. O Observatório pede o reforço dos serviços de prevenção europeus para reduzir o vício e os riscos de contaminação ligados ao consumo de drogas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.