Acessar o conteúdo principal
Alemanha/ eleições

Alemanha vai às urnas e deve reeleger Merkel

Candidato social-democrata, Peer Steinbrück, e a chanceler Angela Merkel depositam seus votos.
Candidato social-democrata, Peer Steinbrück, e a chanceler Angela Merkel depositam seus votos. REUTERS/Staff
Texto por: RFI
3 min

Os alemães votam neste domingo em uma eleição que deverá levar a chanceler Angela Merkel a um terceiro mandato de quatro anos, embora ela deva ser forçada a fazer uma coalizão com seus rivais sociais-democratas. Merkel depositou seu voto em um colégio eleitoral situado na Universidade Humboldt, no centro de Berlim, por volta das 13h30 (8h30 em Brasília), acompanhada do marido, Joachim Sauer.

Publicidade

Candidata à reeleição pela União Democrata-Cristã (CDU), Merkel chegou a pé ao local. O principal adversário da chanceler, o candidato social-democrata Peer Steinbrück, votou em Bonn pela manhã. Já o líder do Partido Liberal e atual ministro da Economia, Philipp Rösler, depositou seu voto em Hannover.

Uma das chaves das eleições de hoje pode ser a sobrevivência do Partido Liberal, parceiro da coalizão presidida por Merkel durante os últimos quatro anos. As últimas pesquisas veem o grupo próximo dos 5%, número mínimo para obter representação parlamentar. No entanto, grandes mudanças nas políticas do país parecem improváveis já que o SPD, de centro-esquerda e cuja campanha empacou depois de gafes de Steinbrueck, concorda com o essencial das políticas de Merkel.

A Europa está acompanhando de perto a primeira eleição nacional da Alemanha desde a eclosão da crise da dívida da zona euro, em 2009. Nenhum de seus colegas em Espanha, França, Itália ou Reino Unido conseguiu ser reeleito desde o início da crise financeira. Alguns analistas esperam que, se reeleita, Merkel vá adotar uma posição mais flexível em relação aos países da zona do euro em dificuldades, como a Grécia, se ela for empurrada para uma grande coalizão com o Social-Democrata.

Pesquisas de opinião

As pesquisas de opinião mais recentes, publicadas no sábado, mostram apoio ao bloco conservador de Merkel - a União Democrata Cristã (CDU) e a União Social Cristã Bávara (CSU) - em torno de 39%, cerca de 13 pontos à frente do SPD, o segundo maior partido. Este resultado praticamente garante que Merkel, cuja defesa dos interesses alemães durante a crise elevou seus índices de aprovação para mais de 60%, vai permanecer como chanceler.

Os colégios eleitorais abriram às 08h (03h de Brasília) em todo o país e fecharão às 18h (13h de Brasília). As primeiras estimativas começarão a ser divulgadas em seguida. As 14h (9h em Brasília), a participação dos eleitores era de 41,4%. O índice é superior aos 36,1% registrados no mesmo horário da votação anterior, em 2009, quando uma baixa recorde de participação foi assinalada no país.

A revista Forbes atribuiu sete vezes o título de mulher mais poderosa do mundo a Merkel, de 59 anos.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.