Acessar o conteúdo principal
Direitos Humanos

Prêmio Sakharov é concedido a Malala, militante paquistanesa de 16 anos

A jovem militante paquistanesa Malala Yusafzai, de 16 anos, é a vencedora do prestigioso Prêmio Sakharov.
A jovem militante paquistanesa Malala Yusafzai, de 16 anos, é a vencedora do prestigioso Prêmio Sakharov. REUTERS/Adrees Latif
Texto por: RFI
4 min

Malala Yousafzaï, jovem militante paquistanesa pelo direito das mulheres à educação, é a vencedora do prestigioso Prêmio Sakharov do Parlamento Europeu. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 10 de outubro de 2013. Ela também é uma das personalidades mais cotadas para receber o prêmio Nobel da Paz, que será entregue nesta sexta-feira.

Publicidade

Os presidentes dos grupos políticos do Parlamento Europeu, com sede em Estrasburgo, escolheram Malala Yousafzaï, de apenas 16 anos, por unanimidade. Ela se tornou um símbolo mundial da luta contra o radicalismo depois de ter sobrevivido a um atentado dos talibãs.

"O Parlamento Europeu saúda a incrível força dessa jovem", declarou o presidente da casa, Martin Schulz, em um comunicado. "Malala defende com coragem o direito de todas as crianças à educação", um "direito frequentemente recusado às meninas", acrescentou.

Malala, que também é apontada como possível vencedora do prêmio Nobel da Paz, foi convidada para receber pessoalmente o Prêmio Sakharov em uma cerimônia em Estrasburgo no dia 20 de novembro.

Outros candidatos ao prêmio deste ano eram o americano Edward Snowden, autor das revelações sobre o monitoramento eletrônico mundial feito pelos Estados Unidos, e opositores bielorussos presos.

O Prêmio Sakharov para a liberdade de espírito recompensa a cada ano um defensor dos direitos humanos e da democracia.

Trajetória

A vida de Malala Yousafzaï mudou no dia 9 de outubro de 2012 em Mingora, uma cidade do vale do Swat, no noroeste do Paquistão. Dois assassinos talibãs entraram no ônibus que a levava à escola e atiraram em sua cabeça. Em coma, a adolescente foi transferida para o hospital de Birmingham, na Inglaterra, e só recobrou a consciência seis dias mais tarde.

Ela conta essa história em sua autobiografia "Eu, Malala" (em tradução livre), publicada nesta semana em mais de cinco línguas.

A trajetória da jovem militante política começou em 2007, quando os rebeldes islamitas fundamentalistas talibãs impõem o uso do véu no vale de Swat, que até então era uma região turística tranquila.

Inicialmente os talibãs foram apoiados por uma parte da população, decepcionada com a incompetência do Estado. Mas eles perderam esse apoio quando começaram a assassinar opositores e a proibir as meninas de irem à escola.

Com apenas 11 anos, Malala, filha de um militante pacifista e diretor de escola e de uma mãe analfabeta, escreve em um blog publicado no site da BBC em urdu, a língua nacional. Sob um pseudônimo, ele descreve o clima de terror que reina no seu vale.

O nome da menina começa a circular na região e depois em todo o país quando ele recebe o primeiro prêmio paquistanês para a paz.

Os talibãs, expulsos do vale em 2009, decidem então eliminar aquela que eles acusam de veicular "a propaganda ocidental" contra eles.

O ataque contra essa estudante, que tinha 15 anos na época, tem um efeito contrário ao pretendido pelos talibãs. O atentado chocou o Paquistão e ela se tornou famosa no Ocidente.

Atualmente Malala vive com sua família em Birmingham e coleciona prêmios internacionais. De David Beckham a Angelina Jolie, as celebridades fazem fila para se encontrar com ela.

Mas o círculos islamitas do Paquistão não veem com bons olhos a exposição midiática da jovem. Ela é considerada "um agente dos Estados Unidos", criada para corromper a juventude e propagar uma cultura anti-islâmica. Malala ainda não sabe se um dia poderá voltar ao seu país natal.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.