Segurança/Rússia

EUA querem cooperar na segurança dos Jogos de Inverno na Rússia

Pelo menos 14 pessoas morreram em um atentado em Volgogrado, na Rússia, nesta segunda-feira.
Pelo menos 14 pessoas morreram em um atentado em Volgogrado, na Rússia, nesta segunda-feira. (©Reuters)

Os Estados Unidos pediram uma “cooperação mais estreita” com Moscou para assegurar a segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sotchi, em fevereiro. A quarenta dias do evento internacional, dois atentados a bomba em menos de 24h mataram pelo menos 31 pessoas em Volgogrado, no sul da Rússia.

Publicidade

Os Estados Unidos pediram uma “cooperação mais estreita” com Moscou para assegurar a segurança dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sotchi, em fevereiro. A quarenta dias do evento internacional, dois atentados a bomba em menos de 24h mataram pelo menos 31 pessoas em Volgogrado, no sul da Rússia.

Washington propôs a Moscou “apoio total para os preparativos de segurança para os Jogos de Sotchi”, declarou Caitlin Hayden, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional (NSC). Ela disse que o governo americano é favorável a “uma cooperação mais estreita em beneficio da segurança dos atletas, dos espectadores e outros participantes”.

Pelo menos 14 pessoas morreram na explosão de um ônibus, nesta segunda-feira de manhã em Volgogrado. O novo ataque aconteceu menos de 24 horas após uma explosão provocada no domingo por uma mulher-bomba na principal estação de trem da cidade. No atentado de ontem, 17 pessoas morreram.

Volgogrado, ex-Stalingrado, fica a cerca de mil km de distância tanto de Moscou quanto de Sotchi, onde os Jogos Olímpicos de Inverno acontecem de 7 a 23 de fevereiro.
O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou aos serviços federais que adotem “todas as medidas necessárias” para “garantir a segurança” na região. Um esquema especial da polícia foi montado nos principais aeroportos e estações de trem da Rússia. Em Volgogrado e nas cidades vizinhas, o nível de alerta antiterrorista foi elevado pelos próximos 15 dias.

Norte do Cáucaso

Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria dos ataques, mas as suspeitas recaem sobre grupos no Norte do Cáucaso, uma região instável politicamente e com forte presença de extremistas islâmicos. Esses grupos têm como uma das principais características a participação de mulheres kamikazes. Conhecidas como "viúvas negras", elas são, geralmente, parentes de extremistas islâmicos mortos nos conflitos do Cáucaso.

Em outubro deste ano, um ataque suicida provocado por uma mulher originária do Daguestão provocou um ataque também em Volgogrado que deixou sete mortos e 30 feridos.
Um grupo separatista checheno que já havia ameaçado promover vários ataques antes e durante os jogos olímpicos de inverno de Sotchi também está na mira das autoridades.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.