Acessar o conteúdo principal
Alemanha/salário mínimo

Alemanha cede à pressão social e cria salário mínimo

Agência de Emprego na Alemanha
Agência de Emprego na Alemanha Reuters
Texto por: RFI
2 min

O governo alemão adotou nesta quarta-feira (2) uma medida inédita: a criação de um salário mínimo. Nenhum trabalhador no país poderá ganhar menos de 8 euros e 50 centavos por hora, o equivalente a 26 reais e 50 centavos, valor bruto.

Publicidade

A medida entra em vigor a partir de 2015. Um período de transição está previsto até 2017 para todas as empresas se adaptarem. Os trabalhadores com menos de 18 anos, os estagiários e os desempregados de longa duração não serão afetados pela mudança.

O salário mínimo não será aplicado nos seis primeiros meses de uma eventual volta ao mercado de trabalho. Na Alemanha, historicamente, os salários são negociados por acordos setoriais.

Cada categoria de trabalhadores, é representado por um sindicato, que discute diretamente com os patrões.
Mas o achatamento dos salários nos últimos anos e o aumento do número de trabalhadores mais próximos da linha da pobreza mobilizaram a sociedade.

A medida foi adotada pelo governo de Angela Merkel a contragosto. O salário mínimo foi uma exigência dos sociais-democratas para garantir a aliança e o apoio ao partido conservador de Merkel.

Uma parte da direita e líderes patronais resistiram e não gostaram da ingerência do estado em negociações salariais entre empresas e seus funcionários. Mas a ministra do Emprego, a social-democrata Andrea Nahles, ignorou as críticas e as reivindicações e conseguiu impor o salário mínimo em todo o território alemão.

Os vizinhos europeus, como França e Grã-Bretanha, que já adotam o salário mínimo, foram favoráveis à medida. Eles acreditam que ela vai evitar que empresas alemãs sejam mais competitivas por causa dos baixos salários, principalmente no setor agroalimentar, e ainda vai permitir melhorar o poder de consumo do país, que impulsiona a economia na Europa.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.