Ucrânia/Crise

Exército da Ucrânia anuncia descoberta de 15 corpos de civis

Soldados do exército ucraniano perto de um posto de controla da cidade de Debaltseve, na região de Donetsk, leste da Ucrânia.
Soldados do exército ucraniano perto de um posto de controla da cidade de Debaltseve, na região de Donetsk, leste da Ucrânia. REUTERS/Valentyn Ogirenko

Ao menos três civis morreram nesta terça-feira (19) durante o bombardeio da cidade de Makiivka, que fica perto de Donetsk, principal reduto dos rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia. A situação humanitária na região é cada vez pior. Na região de Lugansk, 15 corpos de civis foram encontrados segundo informações de um porta-voz militar.

Publicidade

O fornecimento de água em Donetsk foi interrompido no domingo, e os moradores que não fugiram são obrigados a fazer longas filas diante dos quiosques que vendem água mineral. As autoridades organizaram a distribuição de agua não potável por meio de cisternas.

Outro reduto dos rebeldes na região, Lugansk, é palco de combates com armas pesadas. A cidade está sem água, sem eletricidade, meios de comunicação e alimentos há duas semanas, depois que as vias de acesso foram bloqueadas.

O exército ucraniano afirmou que descobriu até agora 15 corpos no local onde um comboio de civis foi bombardeado ontem. Eles estavam fugindo dos combates em Lugansk. O exército e os rebeldes se acusam mutuamente por esses tiros contra civis.

"Os terroristas atiraram em uma comboio de refugiados que se deslocavam com bandeiras brancas de Lugansk para Loutouguiné, controlada pelos militares ucranianos", afirmou um porta-voz militar. Os rebeldes negaram o ataque.

Comboio humanitário parado

O comboio de quase 300 caminhões de ajuda humanitária enviada pela Rússia para as populações do leste ucraniano continua parado na fronteira com a Ucrânia, apesar do acordo entre os dois países sobre as modalidades de inspeção da carga. Segundo a Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) falta "garantir as condições de segurança do comboio".

A chanceler alemã, Angela Merkel, vai visitar a Ucrânia no próximo sábado, véspera do aniversário da independência do país. Ela deve se reunir com o presidente ucraniano, Petro Porochenko, e o primeiro-ministro, Arseni Iatseniuk, para discutir sobre a crise no leste do país e as relações com a Rússia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.