Ucrânia/Rússia

Ucrânia denuncia presença de militares russos no leste do país

Tanques ucranianos estacionados em um campo militar na região de Lugansk nesta quinta-feira, 21 de agosto de 2014.
Tanques ucranianos estacionados em um campo militar na região de Lugansk nesta quinta-feira, 21 de agosto de 2014. REUTERS/Valentyn Ogirenko

O governo ucraniano afirmou nesta quinta-feira (21) ter apreendido perto de Lugansk, reduto dos separatistas pró-russos, dois veículos blindados pertencentes ao exército russo. Se a informação for confirmada, trata-se da primeira prova do envolvimento das forças russas no conflito no leste da Ucrânia. Acusada por Kiev e pelos ocidentais de enviar armas e combatentes para os rebeldes, a Rússia sempre negou qualquer implicação.

Publicidade

"Nos combates perto de Lugansk, os soldados ucranianos capturaram dois veículos blindados da divisão de Pskov, na Rússia. Em um dos veículos foi encontrada uma carteira de motorista e documentos militares", afirmou um porta-voz militar ucraniano. O ministério russo da Defesa negou que os veículos pertençam ao exército da Rússia.

O exército ucraniano também informou que uma "grande batalha" está em andamento em Lugansk, um dos principais redutos separatistas. A imprensa não tem acesso à cidade, que está sitiada. A água, a eletricidade e a comunicação foram interrompidas há três semanas.

A nova tática ucraniana tem como objetivo isolar os separatistas da fronteira com a Rússia. As forças ucranianas afirmaram ter destruído três tanques, dois veículos blindados e lança-foguetes.

Em Donetsk, outro reduto dos separatistas, a situação dos civis é cada vez mais difícil. Antes do conflito, a cidade tinha um milhão de habitantes. Mas ao menos 415.800 fugiram, segundo a ONU, que contabilizou dois mil mortos em quatro meses.

Comboio humanitário

Depois de uma semana parados no lado russo da fronteira, os primeiros caminhões do comboio humanitário de Moscou começaram a penetrar nesta quinta-feira na terra de ninguém entre Rússia e Ucrânia.

Cerca de 260 veículos com ajuda humanitária para as populações do leste ucraniano deixaram a capital russa no dia 12 de agosto. O governo ucraniano e os ocidentais temiam que a carga escondesse armas para os rebeldes separatistas.  A Cruz Vermelha media as negociações para que o comboio possa penetrar no território ucraniano.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.