Imigração/Drama

Itália encontra 18 corpos de imigrantes mortos ao tentarem chegar à Europa

Membros da guarda-costeira líbia resgata imigrantes que se lançaram ao Mar Mediterrâneo com uma embarcação que afundou. Foto tirada em 23 de agosto de 2014.
Membros da guarda-costeira líbia resgata imigrantes que se lançaram ao Mar Mediterrâneo com uma embarcação que afundou. Foto tirada em 23 de agosto de 2014. Foto: Reuters

Dezoito corpos foram encontrados neste domingo (24) a bordo de uma embarcação à deriva no sul da ilha italiana de Lampedusa. Desde sexta-feira, a operação Mare Nostrum socorreu cerca de 3.500 candidatos à imigração clandestina que partiram do norte da África em direção à Europa.

Publicidade

A tripulação do navio militar italiano Sirio descobriu os 18 corpos na manhã deste domingo. Os cadáveres estavam ao lado de 73 sobreviventes presentes em um barco improvisado que estava à deriva no Mar Mediterrâneo após uma pane no motor. 

"Quando nosso helicóptero sobrevoou a embarcação, ela estava afundando. Havia pessoas na água. Boias e coletes salva-vidas foram lançados para ajudá-los", explicou o capitão do Siri, Marco Bilardi, a uma canal de tevê da Itália. O grupo de sobreviventes subiu no navio Sirio que se dirigia a um porto da Sicília com outros 193 imigrantes clandestinos socorridos em outras operações.

Operação resgata em três dias mais de 3 mil candidatos à imigração

Na manhã de domingo, outros 215 candidatos à imigração ilegal, sendo 55 mulheres e 38 crianças, também foram socorridos por outro navio, o Fenice. Outro navio da Marinha Militar, o San Giusto, chegou à Itália com mais 900 imigrantes a bordo. Entre eles, mais de 500 refugiados sírios e libaneses que se encontravam desidratados e até inconscientes quando foram encontrados em duas embarcações que deixaram a costa líbia.

Desde sexta-feira, mais de 3.500 homens e mulheres foram resgatados entre a costa da Sicília e as regiões costeiras da Líbia e da Tunísia pela Marinha de Guerra italiana, guardas-costeiros e navios mercantis. Após dois grandes naufrágios no outono passado, a Itália deu início à operação Mare Nostrum para socorrer embarcações em dificuldades no Mar Mediterrâneo.

O ministro italiano do Interior, Angelino Alfano, pediu neste domingo que a Europa tenha uma ação mais incisiva sobre os imigrantes que partem do norte da África em direção ao continente europeu. "Ou a Europa assume a questão da imigração ou a Itália terá que tomar suas próprias decisões", ameaçou  Alfano.

Em entrevista ao jornal Corriere della Sera, o ministro lembrou que a operação Mare Nostrum, lançada em 15 de outubro, tinha como objetivo uma "duração limitada". Alfano acusa os líderes europeus de serem "cegos".

Uma parte da direita italiana acusa o governo Renzi de ter incentivado os candidatos à imigração clandestina a se lançaram ao mar diante da "segurança" proporcionada pela operação Mare Nostrum.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.