Brasil/Europa

Dilma não terá "tempo de festejar", diz jornal francês

A reeleição da presidente Dilma Rousseff é manchete nos jornais franceses e internacionais.
A reeleição da presidente Dilma Rousseff é manchete nos jornais franceses e internacionais.

Os principais jornais europeus trazem nesta segunda-feira (27) a reeleição de Dilma em suas capas e destacam as dificuldades que a presidente terá para governar em um contexto econômico difícil. Os jornais também lembram que esta foi a vitória mais apertada da história das eleições brasileiras e que a presidente terá muitos desafios pela frente em seu novo mandato.

Publicidade

O jornal francês Le Figaro lembra que Dilma não terá muito tempo para festejar ou descansar, mesmo depois da campanha exaustiva. Para convencer os indecisos, a petista fez muitas promessas, mas se encontra em uma situação econômica frágil, com crescimento do PIB inferior a 1% e exportações e preço das matérias-primas em queda.

Para o El País, o medo dos mais pobres de perder seus benefícios prevaleceu sobre a aposta na mudança que prometia o candidato Aécio Neves. O jornal também traz uma pequena biografia da presidente, descrita como uma mulher "treinada para montar e acionar bombas, que superou um câncer em 2009 e vai voltar a dirigir o destino dos brasileiros.”

Já o jornal português estima que o PT vai aproveitar para dar início a uma reestruturação, com uma maior abertura e ênfase nas correntes minoritárias, especialmente os movimentos estudantis e os intelectuais. "Dilma precisa de resgatar o seu relacionamento com o partido, com quem manteve uma guerra surda durante a campanha", ressalta O Público.

Desafio de Dilma será dar novo fôlego à economia do país

O jornal inglês The Guardian acredita que o maior desafio de Dilma será dar um novo fôlego à economia do país -motivo pelo qual ela perdeu muitos eleitores no centro e sul do Brasil. "A classe média está frustrada com a economia moribunda e os escândalos de corrupção", publica. Todas as atenções estarão voltadas a quem vai atribuída o ministério da economia para saber como Dilma pretende reverter as finanças.

A revista britânica The Economist, que havia declarado apoio a Aécio Neves, voltou a dizer que o tucano era a melhor escolha, mas reconhece que a reeleição de Dilma era "inevitável". Na França, a revista Le Point avalia que Dilma venceu a batalha conquistando os votos da classe média nos estados industrializados do sudeste. Esses brasileiros querem que ela dê continuidade ao ciclo iniciado pelo ex-presidente Lula, destaca a Le Point.

Este foi o resultado mais apertado desde o movimento das Diretas, em 1989, destaca o jornal francês Le Monde. Apesar do fracasso da política intervencionista da presidente, a baixa taxa de desemprego e a valorização dos salários levaram a maioria dos eleitores a renovar a confiança em Dilma, na avaliação do jornal.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Acompanhe todas as notícias internacionais baixando o aplicativo da RFI