Naufrágio

Europa apresentará 10 propostas para conter imigração no Mediterrâneo

Corpos de 24 vítimas chegam na Ilha de Malta.
Corpos de 24 vítimas chegam na Ilha de Malta. REUTERS/Darrin Zammit Lupi

Pressionada pelo naufrágio que fez pelo menos 700 vítimas no Mar Mediterrâneo no fim de semana, a Comissão Europeia apresentará, na próxima quinta-feira (23), 10 propostas de ação para combater o tráfico de pessoas e impedir que imigrantes sigam arriscando suas vidas na travessia da África para a Europa.

Publicidade

A segunda-feira foi repleta de reações à tragédia. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, disse que o continente “não tem mais um álibi” e que é preciso agir. O Papa Francisco apelou à comunidade internacional para “agir com rapidez e decisão”.

A condenação mais dura veio das Nações Unidas. O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, chamou as políticas migratórias europeias de “cínicas” e acusou Bruxelas de transformar o Mediterrâneo em “um vasto cemitério”.

A urgência em debater o assunto se tornou ainda mais evidente na tarde desta segunda-feira, quando a Organização Internacional para a Migração (OIM) disse ter recebido uma chamada de ajuda de uma pessoa que estaria em um barco à deriva, ao lado de outras 300 pessoas. A possibilidade de um novo naufrágio – que ainda não foi confirmado –, pressionou ainda mais os líderes europeus.

Rotas de imigração na Líbia

Entre as 10 propostas que serão discutidas no encontro extraordinário agendado para quinta-feira, em Bruxelas, está a de reforçar as operações de controle e resgate chamadas de Triton e Poseidon, lideradas pela Frontex, a agência europeia de controle de fronteiras. Atualmente restritas às águas do território dos países da União Europeia, as operações devem ser ampliadas.

Também serão propostas a destruição das embarcações utilizadas para transportar imigrantes, o registro sistemático das digitais dos imigrantes na sua chegada à Europa, trabalho em conjunto de diferentes órgãos para investigar como operam os atravessadores, além do aumento da concessão do estatuto de refugiado. A Comissão Europeia também pretende agir em conjunto com os vizinhos da Líbia para impedir o fluxo migratório pelas rotas que levam ao país.

Após as discussões, Bruxelas pretende apresentar uma estratégia completa sobre imigração e asilo no próximo dia 13 de maio.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.