Itália/ imigração

Pelo menos 3 mil migrantes desembarcam na Itália nesta 2ª

A guarda costeira italiana socorreu cerca de 6,8 mil imigrantes em dois dias no Mar Mediterrâneo.
A guarda costeira italiana socorreu cerca de 6,8 mil imigrantes em dois dias no Mar Mediterrâneo. REUTERS/Ismail Zitouny

Cerca de 3 mil dos 6,8 mil migrantes socorridos no Mar Mediterrâneo neste final de semana chegaram na manhã desta segunda-feira (4) ao porto de Pozzallo, no extremo-sul da Sicília. Em um dos grupos, havia 52 crianças e 103 mulheres - uma delas deu à luz durante a operação de salvamento.

Publicidade

Um comunicado publicado pela Marinha italiana, que coordenou o trabalho de resgate, indicou que a mãe e seu filho “passam bem”, depois da realização de um parto improvisado a bordo. As autoridades italianas corrigiram o número total de migrantes salvos na costa líbia durante o final de semana – passou de 6 mil para 6,8 mil, em um total de 34 embarcações interceptadas.

A maioria dos passageiros eram somalis e eritreus, mas havia também sírios. A guarda costeira também encontrou 10 corpos, dos quais sete estavam em um barco inflável.

O Ministério do Interior do país avalia que 200 mil migrantes podem chegar ao solo italiano neste ano, 30 mil a mais do que no ano passado. As redes de tráfico humano se aproveitam do caos político na Líbia para intensificar a partida de barcos clandestinos. Segundo uma investigação da Justiça italiana, os criminosos ganham em média € 800 mil (R$ 2,7 milhões) por barco que viaja rumo à Europa, lotado de imigrantes ilegais.

Diante do aumento do fluxo migratório, a agência europeia Frontex, responsável pelas operações de resgate e o controle das fronteiras europeias, informou hoje que está aumentando suas missões. A Frontex solicitou mais navios aos paises membros do bloco, para ampliar a frota atual, que conta atualmente com 10 patrulheiros.

Navio francês

No sábado, pela primeira vez, o navio francês Comandante Birot participou do resgate de migrantes, socorrendo 219 pessoas, levadas para a Sicília. A maior parte chegou em segurança à Itália, mas 10 morreram.

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados indica que, desde o início do ano, 1,8 mil imigrantes clandestinos já morreram durante a tentativa de atravessar o Mediterrâneo. No mesmo período, 51 mil conseguiram chegar à Europa, dos quais 30,5 mil desembarcaram na Itália. Após a sequência de naufrágios em abril, a União Europeia decidiu triplicar o orçamento da missão de vigilância das fronteiras Triton.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.