Grécia/Crise

Em Estrasburgo, Tsipras diz querer acordo "pelo bem da Grécia e da Europa"

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, discursou nesta quarta-feira (8), no Parlamento Europeu, em Estrasburgo.
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, discursou nesta quarta-feira (8), no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. REUTERS/Vincent Kessler

A crise financeira na Grécia continua em um impasse. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, discursou na manhã desta quarta-feira (8) no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. Ele garantiu que seu governo conseguirá responder às exigências dos credores antes do fim de semana, data limite imposta para alcançar um acordo sobre uma ajuda financeira a Atenas.

Publicidade

"Não deixemos que a Europa se divida", pediu o premiê, em um discurso muito aplaudido pelos eurodeputados de esquerda, principalmente por líderes antiausteridade, como o espanhol Pablo Iglesias, do Podemos, e o francês Jean-Luc Mélanchon, da Frente de Esquerda. O primeiro-ministro destacou que o país vai encontrar um compromisso "pelo bem da Grécia, da zona do euro e do interesse econômico e geopolítico da Europa".

Tsipras também pediu para continuar recebendo o apoio do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), garantiu que vai apresentar um plano de modernização do Estado, mas insistiu também no ponto que tem bloqueado um acordo: a reestruturação da dívida grega.

A Alemanha já deixou claro que só aceitará discutir a sustentabilidade da dívida grega depois que Atenas cumprir seu programa de reformas. Já o comissário Europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, afirmou que é possível e necessário um acordo com a Grécia, mas destacou que depende da capacidade de Atenas de apresentar propostas de reformas confiáveis aos sócios da zona do euro. "Até domingo é necessário encontrar uma solução. Acredito que é possível e necessário", declarou ao canal France 2.

Ultimato à Grécia

Ontem (7), os líderes da zona do euro deram um ultimato para que a Grécia apresente até sexta-feira (10) um plano com reformas "realistas", se quiser continuar recebendo ajuda financeira do bloco. O Eurogrupo foi convocado para analisar as propostas gregas no sábado. A expectativa é que o acordo seja fechado no domingo, quando os líderes europeus farão uma nova cúpula extraordinária.

Nas reuniões realizadas ontem em Bruxelas, Atenas não apresentou um novo programa de ajustes aos credores e pediu um acordo provisório, que permita aliviar seu sistema bancário e garantir um prazo extra para a elaboração de um compromisso definitivo.

A demora do governo Tsipras em apresentar por escrito o acordo do governo com reformas profundas exaspera os países vizinhos. O presidente do Banco Central da França, Christian Noyer, disse nesta manhã ter medo que a Grécia mergulhe no caos financeiro se um acordo político não for encontrado até domingo.

Moeda paralela

O governo grego desmentiu hoje informações da imprensa de que estaria preparando a emissão de uma nova moeda paralela, para pagar as aposentadorias e salários do funcionalismo em julho. Os bancos gregos, fechados há dez dias, deverão ser abertos progressivamente, segundo Atenas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.