Acessar o conteúdo principal
Eslovênia/migração

Governo da Eslovênia pede "solidariedade europeia" para lidar com fluxo migratório

Grupo de migrantes sendo conduzido pela polícia em Brezice, Eslovênia, 20 de outubro de 2015.
Grupo de migrantes sendo conduzido pela polícia em Brezice, Eslovênia, 20 de outubro de 2015. REUTERS/Srdjan Zivulovic
Texto por: RFI
2 min

De acordo com o governo da Eslovênia, país não tem estrutura para receber tantos migrantes. O parlamento esloveno vota nesta terça-feira (20) um projeto de lei do governo que permite aos militares ajudar a polícia a regular a onda de migrantes que chega ao país desde o último final de semana, vindos da Croácia.

Publicidade

"O fluxo migratório ultrapassa nossas capacidades", declarou nesta manhã o governo que pede a "solidariedade europeia" diante do "peso desproporcional" que representa a chegada dos candidatos ao exílio.

A Eslovênia, pequeno país de 2 milhões de habitantes que integra a União Europeia e o espaço Schengen, recebeu 8 mil migrantes só nesta segunda-feira (19). Apenas 2 mil deles puderam continuar o caminho em direção a Áustria, garante o governo esloveno que acusa Viena de deixar entrar no país um número limitado de refugiados, informação que foi desmentida pelo governo austríaco.

A Eslovênia passou a ser a nova rota dos migrantes na Europa do Leste desde o último sábado, quando a Hungria fechou sua fronteira com a Croácia.

A grande maioria desses refugiados tenta chegar na Alemanha, eleita como eldorado após a decisão da chanceler Angela Merkel de acolher 800 mil migrantes. Mas o fluxo ultrapassa todas as expectativas, diminuindo a popularidade de Merkel e alimentando manifestações xenófobas.

Nesta segunda-feira, milhares de partidários do movimento de extrema-direita Pegida se reuniram em Dresden. Houve confrontos com militantes pela acolhida dos refugiados e uma pessoa ficou gravemente ferida.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.