Acessar o conteúdo principal

Para polícia britânica, ataques a faca em Londres foram "ato terrorista"

Polícia científica investiga estação de Leytonstone, em Londres
Polícia científica investiga estação de Leytonstone, em Londres REUTERS/Neil Hall
Texto por: RFI
4 min

A polícia britânica investiga neste domingo (6), as motivações de um homem, preso no sábado depois de ferir três pessoas a faca em uma estação do metrô de Londres, um "ato terrorista", de acordo com as forças de segurança.O ataque aconteceu três dias depois que o parlamento autorizou a força aérea a bombardear o grupo Estado Islâmico na Síria. Testemunhas ouvidas pela rede de TV Sky News disseram que o agressor teria gritado que "pela Síria!" enquanto atacava, mas a polícia não confirmou essa informação.

Publicidade

Independentemente do que disse o homem, o responsável pela investigação e comandante da divisão antiterrorista da polícia metropolitana, Richard Walton, declarou que o caso é tratado como ação terrorista e recomendou que a população fique alerta. A agressão acontece menos de um mês depois dos atentados de Paris, reivindicados pelo grupo Estado Islâmico, e três dias depois do ataque que deixou 14 mortos em um centro de acolhimento de deficientes nos Estados Unidos.

Se a pista terrorista for confimada, será provavelmente mais uma ação do que se convencionou chamar de "lobos solitários": um terrorista que decide atacar por conta própria, sem seguir uma ordem determinada por qualquer organização jihadista. Em diversas ocasiões, a polícia expressou sua "preocupação crescente" com a possibilidade de esse tipo de ação se multiplicar. No início de dezembro, o diretor do Centro Internacional de Estudos da Radicalização (ICSR, na sigla em inglês) do King's College, Peter Neumann, advertiu que era preciso dividir a atenção entre ações complexas como a de Paris e os ataques individuais, extremamente difíceis de prevenir, já que elas quase não exigem preparação.

Como foi o atentado

O ataque aconteceu no sábado, por volta das 19h, nas portas de acesso à estação de Leytonstone, na linha central que atravessa a capital de leste a oeste, passando pelo bairro empresarial de City e pelos centros comerciais de Tottenham, Court Road e Oxford Circus. Um homem de 56 anos foi gravemente ferido com uma facada no pescoço, mas não corre mais risco de morte. Outras duas vítimas sofreram ferimentos leves. Vários vídeos do agressor com a faca em punho sendo contido pela polícia foram publicados na internet.

Outros vídeos mostram o suspeito, vestido em roupas ocidentais, com um pano preto na cabeça, brigando com diversas pessoas no trem. As imagens mostram uma grande poça de sangue no chão e é possível ouvir uma testemunha, que grita: "você não é muçulmano!" No domingo de manhã, a linha funcionava normalmente e a estação de Leytonstone estava aberta.

Ameaça constante

Em 2013, o Reino Unido ficou em choque com um ataque em plena luz do dia contra o soldado Lee Rigby. Ele foi atropelado por dois homens que, em seguida, deixaram o carro e tentaram arrancar sua cabeça com uma faca. Os dois gravaram um vídeo na cena do crime, com as mãos cobertas de sangue, se apresentado como "soldados de Alá em guerra contra a Grã-Bretanha".

Em março deste ano, um britânico de 19 anos foi condenado a 22 anos de prisão por ter planejado a decapitação de um outro soldado. Ele foi preso em agosto em Londres, em posse de um martelo, uma lâmina de 30 centímetros e uma bandeira islamita.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.