Bruxelas/vítimas

Sobe para 35 número de mortos nos atentados em Bruxelas

REUTERS/Charles Platiau

O número de mortos nos atentados de terça-feira passada em Bruxelas subiu para 35 pessoas, de acordo com um novo balanço divulgado pelas autoridades belgas nesta segunda-feira (28). Vinte e oito deles já foram oficialmente identificados. Os especialistas ainda aguardam os resultados dos testes de DNA para confirmar a identidade das outras vítimas.

Publicidade

A procuradoria da Bélgica anunciou três novos indiciamentos de suspeitos de integrarem redes terroristas, principalmente na Holanda.

O país anunciou no domingo a prisão do francês Anis B, de 32 anos, a pedido da justiça francesa e de outros três suspeitos de origem argelina, detidos em Rotterdã para interrogatório. Anis B. será extraditado em breve para a França. Ele e outros dois homens preso na Bélgica são suspeitos de ligação com outro francês, Reda Kriket, preso na quinta-feira na região parisiense.

Segundo o ministério do Interior, Reda Kriket estaria finalizando os preparativos para um ataque terrorista na França. Sua prisão preventiva vence nesta segunda-feira, mas deve ser prorrogada. O governo francês elogiou a cooperação europeia que teria permitido identificar uma nova célula terrorista pronta para atacar.

Polícia tenta identificar jornalista como possível suspeito

Na capital belga, as investigações agora se concentram em torno do “homem do chapéu”, o indivíduo que aparece na foto no aeroporto ao lado dos dois outros kamikazes. Os investigadores ainda tentam confirmar se ele se trata de Fayçal Cheffou, 30 anos, que se apresenta como jornalista independente.

Entrevista pela rádio RTL, Vinz Kanté, apresentador de uma emissora belga, trabalhou com ele em 2008 e o descreve como um homem “inteligente”, mas que pouco a pouco se radicalizou, "defendendo teorias do complô". Ele foi identificado pelo taxista que levou os dois kamikazes ao aeroporto de Zavantem, e preso quando passava de carro em frente à Procuradoria Federal da Bélgica, perto de sua casa.

Ele aparece em um vídeo publicado em 2014 onde acusa as autoridades belgas de obrigarem os muçulmanos nas prisões para refugiados a comerem durante o Ramadã.

Nesse emaranhado de informações, a  única certeza da polícia por enquanto é que os três kamikazes, Ibrahim El Bakraoui e Najim Laachraoui no aeroporto de Zavantem e Khalid El Bakraoui no metrô de Bruxelas, estão ligados aos atentados que deixaram 130 mortos no dia 13 de novembro e ao principal suspeito, Salah Abdeslam, preso no dia 18 de março em Bruxelas.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.