Acessar o conteúdo principal
Reino Unido/Casamento real

Meghan dirá "sim" ao príncipe Harry mas não vai jurar "obediência" ao marido

Britânicos festejam casamento de Harry e Meghan
Britânicos festejam casamento de Harry e Meghan (Foto: Reuters)
Texto por: RFI
7 min

Em uma cerimônia que promete misturar o que há de mais tradicional na monarquia britânica com os valores da geração “millennial”, o príncipe Harry, do Reino Unido, e a atriz americana Meghan Markle se casam, neste sábado, às 8h (em Brasília), na Capela de São Jorge, em Windsor, nos arredores de Londres.

Publicidade

Maria Luísa Cavalcanti, correspondente da RFI em Londres

Alguns dos últimos detalhes do casamento foram divulgados durante a madrugada pela assessoria da família real britânica. Entre a lista de músicas clássicas e contemporâneas que serão tocadas durante a cerimônia, e a confirmação de que Meghan entrará na capela sozinha até ser recebida e conduzida ao altar pelo príncipe Charles, o pai do noivo, uma informação não passa despercebida: a noiva fugirá dos votos tradicionais ao não jurar “obediência” ao marido.

Nada mais natural para alguém como Meghan, uma defensora declarada da igualdade de direitos, representante da ONU Mulheres e conselheira de uma ONG que reúne lideranças jovens de todo o mundo. Seu ativismo começou na infância, mas ficou mais destacado depois que a atriz começou a namorar Harry, em julho de 2016.

O relacionamento, que só foi confirmado oficialmente quatro meses depois, passou, então, a ser escrutinizado pela imprensa britânica. O fato de ela ser filha de mãe negra e pai branco, já ter sido casada e ser três anos mais velha que o príncipe foi um prato cheio para tradicionalistas, que não esconderam seu racismo e seu preconceito. Mas desde o noivado, anunciado em novembro passado, o entorno da família real vem trabalhando intensamente a imagem de Meghan, fazendo-a cumprir com compromissos oficiais ao lado de Harry, sempre vestida discretamente, com gestos contidos e falas curtas. Analistas especializados na realeza têm elogiado a futura nobre e acreditam que ela representa uma injeção de modernidade na família e um sinal de que a Coroa britânica está sintonizada com os valores do século 21.

Harry, o mais querido

Já o príncipe Harry, o sexto na linha de sucessão ao trono britânico, é o membro da família real mais querido por seus súditos. Em uma pesquisa do instituto Ipsos MORI, divulgada na última segunda-feira, Harry aparece como o favorito de 42% dos britânicos – mais até do que a rainha Elizabeth e do que seu irmão William, o futuro rei.

Do menino frágil que emocionou o mundo no funeral da mãe, a princesa Diana, ao playboy mimado dado a escândalos públicos – principalmente quando se vestiu como um policial nazista para uma festa à fantasia ou foi flagrado nu em uma balada em Las Vegas -, Harry passou a ser um adulto carismático, envolvido em causas sociais e seguro para falar abertamente sobre os traumas do passado.

O casamento deste sábado, conduzido pelo Arcebispo da Cantuária, não tem o mesmo peso para a realeza do que a união de William com Kate Middleton, em 2011, nem terá a mesma magnitude. Nem políticos nem chefes de Estado foram convidados, e o casal fez questão de contar com a presença de 1200 cidadãos comuns dentro das muralhas do Castelo de Windsor – dentre eles, líderes comunitários de todo o país e representantes das várias ONGs com as quais os dois estão envolvidos.

Apesar de uma pesquisa do instituto YouGov ter revelado que 66% dos entrevistados britânicos se disseram nada interessados pelo casamento real, a cerimônia servirá de espetáculo para mais de 100 mil pessoas que são esperadas neste vilarejo a oeste de Londres e ainda para milhões – ou até bilhões – de espectadores que devem acompanhar tudo pela televisão em todo o mundo. O casamento de William e Kate atraiu uma audiência de cerca de 2 bilhões de pessoas.

Vestido e barba

Faltando poucas horas para o casamento, o maior mistério gira em torno do vestido da noiva, que só será visto quando ela entrar na capela. As tradicionais casas de apostas do Reino Unido faturaram alto nesse quesito e a grife mais cotada é Ralph & Russo, lançada em Londres em 2010 por um casal de estilistas australianos.

Outras marcas britânicas mais tradicionais, como Burberry e Stella McCartney, também estão entre as favoritas. Em suas aparições, Meghan tem usado uma mistura de roupas de luxo, de marcas de fast-fashion e de lojas de departamento, sabendo que todas elas imediatamente desaparecem das prateleiras ou são copiadas em todo o mundo – o vestido deste sábado já está sendo cotado com um ícone que deve marcar o mercado de noivas por vários anos.

Outro item que tem agitado as bolsas de apostas é a barba de Harry. Até a noite de sexta-feira, quando o príncipe saudou pessoas que acampavam em frente ao Castelo, a barba aparecia exatamente como tem sido vista desde que ele a deixou crescer, em 2013. Mas a maioria dos apostadores acredita que ele não fugirá à tradição de se casar de rosto limpo.

Além das casas de apostas e da indústria da moda, os setores do turismo e do varejo são os que mais devem lucrar com este casamento real, não só nesta semana, mas durante o resto do ano. Algumas estimativas de consultorias financeiras chegam a falar de um faturamento de £ 500 milhões, se somados também os ganhos com os direitos de transmissão do evento pelas televisões de todo o mundo.

Não há informações oficiais sobre quanto deve custar a união de Harry e Meghan. Um famoso aplicativo de orçamentos para casamentos fez cálculos baseados em valores de mercado e estima que a conta final deve passar dos £ 2 milhões. A família real vai cobrir com as despesas da cerimônia e da festa. Mas a conta mais alta é a do esquema de segurança montado em Windsor – em 2011, a polícia de Londres gastou mais de £ 6 milhões com a boda de William e Kate. Essa conta sai do bolso do contribuinte britânico, em meio a um momento de incerteza econômica diante do Brexit.

O casamento deste sábado deve servir como uma grande vitrine de um dos bens mais valiosos que os britânicos têm: sua família real. E se depender dos súditos, a rainha e seus descendentes não sairão de cena por muito tempo. Em uma pesquisa realizada em 2015, quase 70% dos britânicos disseram acreditar que a monarquia é algo bom para o Reino Unido e está aqui para ficar.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.