Acessar o conteúdo principal

Alemanha anuncia ter controlado Covid-19

O Ministro da Saúde alemão Jens Spahn, e outros responsáveis do governo visitam uma unidade de terapia intensiva Lena Mueller no Hospital Universitário de Giessen e Marburg, em Giessen, Alemanha, no dia 14/04/2020.
O Ministro da Saúde alemão Jens Spahn, e outros responsáveis do governo visitam uma unidade de terapia intensiva Lena Mueller no Hospital Universitário de Giessen e Marburg, em Giessen, Alemanha, no dia 14/04/2020. REUTERS - POOL
Texto por: RFI
5 min

Após um mês de restrições sociais, a Alemanha, o quinto país mais afetado do mundo pela Covid-19, anunciou nesta sexta-feira (17) que epidemia está "sob controle" no país. Berlim promete uma produção maciça de máscaras de proteção.

Publicidade

"Podemos dizer agora que as ações têm funcionado. Conseguimos passar de um crescimento dinâmico a um crescimento linear e as taxas de infecção diminuíram de maneira significativa", destacou o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn. "Outro dado importante e encorajador é que, desde 12 de abril, mais pessoas são curadas todos os dias do que o número de novas infecções", disse ele em entrevista coletiva, explicando ainda que a Alemanha já testou, até o momento 1,7 milhão de pessoas.

A estratégia alemã para lidar com o coronavírus também tornou possível, de acordo com o ministro, que o sistema de saúde não fosse sobrecarregado pelo fluxo de pacientes. Dos 40.000 leitos de terapia intensiva disponíveis no país, um quarto está disponível atualmente.

A taxa de infecção de pessoa para pessoa caiu para 0,7% na Alemanha, de acordo com dados divulgados na noite desta quinta-feira (16) pelo Instituto Robert Koch, a autoridade federal responsável pelo monitoramento epidemiológico. É a primeira vez que esse índice cai abaixo de 1%, destacou o presidente da instituição, Lothar Wieler, lembrando que a taxa foi de 1,3% no início do mês.

Esse indicador é crucial para as autoridades de saúde, pois permite planejar as ações para a saída do confinamento, que forçou o fechamento de escolas e da maioria dos estabelecimentos comerciais.

Além disso, essa é uma informação importante para medir a capacidade do sistema de saúde de absorver o choque da epidemia. Na quarta-feira (15), a chanceler Angela Merkel alertou que qualquer aumento adicional na taxa de infecção "sobrecarregaria" o sistema de saúde alemão. Com uma taxa "em torno de 1,1%, poderíamos atingir os limites do nosso sistema de saúde em termos de leitos em terapia intensiva até outubro", alertou ela. “Com uma taxa de 1,2%, atingiríamos os limites do nosso sistema de saúde em julho e, com uma taxa de 1,3, já chegaríamos em junho” acrescentou.

A Alemanha contabilizou nesta sexta-feira 133.830 casos do novo coronavírus (3.380 nas últimas 24 horas) e 3.868 mortes, segundo o Instituto Robert Koch.

Reabertura gradual

Sem optar por um confinamento rigoroso, a Alemanha impôs restrições significativas em todo o território, desde o fechamento de escolas e locais culturais até a proibição de agrupamentos nas ruas. O país, que recebeu dezenas de pacientes franceses e italianos em seus hospitais,  poderá agora aliviar o isolamento.

A partir de segunda-feira (20), lojas de até 800 metros quadrados serão autorizadas a reabrir as portas, desde que sigam regras rígidas de higiene. As escolas vão retomar as aulas a partir do dia 4 de maio, começando pelos alunos mais velhos.

Grandes eventos, como concertos ou competições esportivas, permanecem proibidas até pelo menos 31 de agosto. Agrupamentos de mais de 2 pessoas também são interditados em locais públicos e os alemães devem respeitar uma distância mínima de 1,5 metro. Teremos que "aprender a conviver com o vírus", insistiu o ministro da Saúde.

Produção de máscaras

Para evitar a retomada da epidemia, a Alemanha vai incentivar o uso de máscaras. Porém, diferentemente da vizinha Áustria que, nesta fase, decidiu obrigar o uso de máscaras em lojas e transportes públicos em todo o país, o governo federal alemão e os 16 Länders contentaram-se em "recomendá-las fortemente".

Jens Spahn informou que empresas alemãs produzirão 50 milhões de máscaras por semana a partir de agosto, incluindo 10 milhões do tipo FFP2, que apresentam uma proteção maior contra o coronavírus. "Assinamos contratos com 50 empresas que desejam produzir 10 milhões de máscaras FFP2 e 40 milhões de máscaras cirúrgicas a partir de agosto", declarou o ministro.

Um experimento com o uso obrigatório de máscaras na cidade de Iena (Turíngia) tende a demonstrar a sua eficácia. Nenhum novo caso foi registrado na localidade por uma semana, segundo a imprensa alemã.

 

Com informações do correspondente da RFI em Berlim, Pascal Thibault.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.