Caso Maddie: alemão suspeito de crime pode ter assassinado adolescente na Bélgica

Carola Titze, uma adolescente alemã de 16 anos, foi encontrada morta, com o corpo mutilado, em julho de 1996, em Le Coq
Carola Titze, uma adolescente alemã de 16 anos, foi encontrada morta, com o corpo mutilado, em julho de 1996, em Le Coq AFP - BELGA

A Justiça belga decidiu reabrir a investigação sobre o assassinato de uma adolescente alemã, morta na Bélgica em 1996, devido a uma possível ligação com Christian B., o novo suspeito no caso do desaparecimento da britânica Madeleine McCann em Portugal, em 2007. O possível autor dos crimes, que está preso, se recusa a falar sobre o sequestro de Maddie.

Publicidade

Desde que a polícia alemã anunciou, na semana passada, que estava investigando Christian B. como possível responsável pelo desaparecimento da menina britânica há 13 anos, novas informações surgem sobre outros crimes que poderiam ter sido cometidos pelo alemão, hoje com 43 anos.

É o caso do assassinato de Carola Titze, uma adolescente alemã de 16 anos, que foi encontrada morta, com o corpo mutilado, em julho de 1996, na Bélgica. A jovem desapareceu quando passava férias com seus pais na cidade de Le Coq (De Haan, em flamengo).

Após a descoberta de seu cadáver, a investigação visava um suspeito alemão de cerca de vinte anos, com quem a vítima havia saído pouco tempo antes de sua estadia. O rapaz, que teria se gabado de seu passado criminoso, nunca foi encontrado.

Agora, após a identificação de Christian B. como novo suspeito no caso Maddie, o juiz de investigação belga encarregado na época do processo Titze, Paul Gevaert, estimou que "havia certamente um elo a ser investigado".  

Segundo ele, "a descrição (de Christian B.) coincide. O fato de ele estar em Portugal há tanto tempo explicaria por que nunca o encontramos", disse ao jornal De Standaard o juiz, agora aposentado. A investigação, encerrada em 2016, foi reaberta, segundo confirmação da Promotoria de Bruges, na Bélgica.

Menina portuguesa e garota alemã também poderiam ser vítimas

A Justiça alemã também indicou estudar um possível paralelo entre o desaparecimento de uma menina há cinco anos na Alemanha e o de Madeleine McCann. Além disso, em Portugal, o padrasto de uma menina de 8 anos que desapareceu há 16 pediu à imprensa que as autoridades investigassem Christian B. pelo caso, que nunca foi esclarecido.

A pequena Joana Cipriano desapareceu em setembro de 2004 na vila de Figueira, não muito longe da Praia da Luz, no Algarve (sul), onde Maddie desapareceu em 3 de maio de 2007. Ela também nunca foi encontrada.

Enquanto isso, Christian B., pedófilo reincidente, segue detido no norte da Alemanha e teve que ser colocado em uma cela solitária por motivos de segurança. Ele se recusa a falar sobre o caso Maddie, afirmou um de seus advogados a um canal de notícias alemão.

O suspeito viveu e trabalhou entre 1995 e 2007 na região portuguesa do Algarve, onde Madeleine desapareceu. A polícia alemã, que pediu a colaboração de testemunhas, considera a possibilidade de o suspeito ter entrado para roubar o apartamento dos McCann e decidido sequestrar a menina ao encontrá-la.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.