Acessar o conteúdo principal

Espanha reabrirá em 21 de junho suas fronteiras com países europeus, exceto com Portugal

Com o adiantamento da reabertura das fronteiras, Espanha espera relançar o turismo, que representa 12% de seu Produto Interno Bruto (PIB).
Com o adiantamento da reabertura das fronteiras, Espanha espera relançar o turismo, que representa 12% de seu Produto Interno Bruto (PIB). REUTERS - ENRIQUE CALVO
Texto por: RFI
3 min

A Espanha adiantará para 21 de junho a data para a reabertura de suas fronteiras com os países da União Europeia, exceto com Portugal, país com o qual manterá a data inicialmente prevista de 1º de julho. O anúncio foi feito neste domingo (14) pelo chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez.

Publicidade

"A Espanha suspenderá os controles em suas fronteiras com todos os Estados membros em 21 de junho", afirmou o líder socialista. O anúncio ocorre em um momento em que a Comissão Europeia pede que todos os Estados membros retirem as restrições nas fronteiras internas do bloco a partir de segunda-feira (15)

"A partir de então [21 de junho], vamos retirar a obrigação de quarentena para os viajantes que entram em nosso país", imposta desde meados de maio pelo Executivo, acrescentou o líder socialista. A data coincide com o fim do estado de emergência decretado em meados de março para combater o novo coronavírus. 

Já a reabertura da fronteira terrestre com Portugal deverá esperar até 1º de julho, data originalmente planejada. A medida será realizada em ato conjunto com as autoridades dos dois países, explicou.

O ministério do Turismo da Espanha já havia anunciado no início deste mês o fim da restrição com o país vizinho em 22 de junho, mas a retificou algumas horas depois que o governo português manifestou surpresa e desconforto com a decisão unilateral.

Condições para a reabertura das fronteiras

A partir de 1º de julho, "as fronteiras com países terceiros fora do espaço Schengen serão gradualmente abertas, não todas, é claro, mas aquelas incluídas em uma lista" de países seguros, explicou Sánchez.

Os países considerados "seguros" terão que apresentar uma situação epidemiológica "análoga ou melhor" à europeia, "assumir certas condições de origem, trajeto e destino e agir com reciprocidade" com os cidadãos europeus, afirmou o líder espanhol.

No entanto, antes mesmo que as fronteiras seja reabertas aos turistas europeus, cerca de 11 mil alemães vão poder desembarcar a partir de segunda-feira nas Ilhas Baleares, no oeste da Espanha, dentro de um programa de retomada do turismo. O país é o segundo destino turístico mundial e o setor representa 12% do Produto Interno Bruto (PIB) espanhol.

Epidemia sob controle

A Espanha foi um dos países mais castigados pelo coronavírus na Europa, contabilizando mais de 27 mil mortes. No entanto, com o estado de emergência decretado, o governo determinou um dos confinamentos mais severos do mundo, fechando as fronteiras terrestres com Portugal e França e reduzindo a entrada de viajantes por via aérea e marítima a quase zero.

Atualmente, a epidemia está sob controle no país. No entanto, as autoridades temem que a retomada da mobilidade internacional provoque novos surtos no país. Por isso, o governo promete não deixar de lado a prudência e a vigilância: "A reabertura das fronteiras é um momento crítico para o qual estamos nos preparando", garantiu Sánchez.

(Com informações da AFP

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.