Merkel alerta para provável agravamento da pandemia de Covid-19 nos próximos meses

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta sexta-feira (28) que prevê que a pandemia do novo coronavírus se torne ainda "mais difícil" nos próximos meses.
A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta sexta-feira (28) que prevê que a pandemia do novo coronavírus se torne ainda "mais difícil" nos próximos meses. AP - Michael Sohn

A chanceler alemã, Angela Merkel, declarou nesta sexta-feira (28), durante uma entrevista coletiva em Berlim, que espera uma evolução "ainda mais difícil" da pandemia de coronavírus no outono e o inverno no hemisfério norte. A situação "será pior nos próximos meses do que no verão", alertou a chanceler, cuja gestão da pandemia até agora foi elogiada.

Publicidade

“Teremos que conviver com esse vírus por muito tempo (...) A situação continua grave. Leve a sério”, ela acrescentou. “Todos nós nos beneficiamos da liberdade e de uma proteção relativa durante o verão”, quando a “vida ao ar livre” é possível, disse ela, mas a situação provavelmente mudará agora.

“Nem tudo será como antes da pandemia. Ela vai nos atingir duramente”, também alertou Merkel. A Alemanha, como muitos outros países europeus, enfrentou um aumento dos casos de Covid-19 nas últimas semanas. O país registra em média cerca de 1.500 novos casos por dia, o maior número desde o final de abril, quando chegaram a ser registrados até 6.000 casos em 24 horas.

A Alemanha teve um total de 239.507 casos oficialmente registrados de infecções nesta sexta-feira, com mais 1.571 em 24 horas, e 9.288 mortes, de acordo com o instituto de vigilância de saúde Robert Koch. Ainda assim, o país registrou muito menos mortes do que seus vizinhos europeus.

Essa piora nos últimos dias, atribuída em parte ao retorno das férias de verão do hemisfério norte, levou o governo e as regiões a tomarem novas medidas restritivas nesta quinta-feira (27), como limitar reuniões privadas e estabelecer multas pelo não uso de máscara.

Mascarados

Desde as 8h (horário local) desta sexta-feira, o uso de máscara também é obrigatório em todas as ruas de Paris, sob pena de multa de € 135. A medida abrange todos os pedestres e até motociclistas. A pedido da prefeitura da capital francesa, os ciclistas e praticantes de jogging foram dispensados. Trata-se de "aprender a conviver com o vírus", comentou o presidente Emmanuel Macron.

A máscara também é obrigatória em Estrasburgo, no nordeste da França, e em municípios com mais de 10.000 habitantes no departamento do Bas-Rhin, no nordeste da França. Paris é considerada uma zona de risco por diversos países: a Bélgica acaba de adicionar a cidade à sua lista de destinos europeus não são autorizados, a menos que as pessoas se submetam a testes ao regressarem.

A pandemia matou pelo menos 832.336 pessoas em todo o mundo desde que o vírus apareceu no final de dezembro, de acordo com um relatório estabelecido pela AFP a partir de fontes oficiais.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.