Acessar o conteúdo principal

Líder da oposição russa, Alexei Navalny parabeniza Biden; Kremlin se cala

O principal opositor russo, Alexei Navalny (à esquerda), acusa o governo de Vladimir Putin (à direita) de tê-lo envenenado. Navalny felicitou Joe Biden pelas eleições nos EUA, enquanto Putin se calou.
O principal opositor russo, Alexei Navalny (à esquerda), acusa o governo de Vladimir Putin (à direita) de tê-lo envenenado. Navalny felicitou Joe Biden pelas eleições nos EUA, enquanto Putin se calou. AFP
Texto por: RFI
3 min

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, parabenizou o presidente eleito Joe Biden por sua vitória neste domingo (8), antes que houvesse qualquer reação do Kremlin aos resultados das eleições nos EUA. Em um tuíte, Navalny parabenizou Biden, a companheira de chapa Kamala Harris e os americanos por "definirem a nova liderança em uma eleição livre e justa". "Este é um privilégio que não está disponível para todos os países", disse Navalny, que está se recuperando na Alemanha de um envenenamento em agosto deste ano.

Publicidade

Chegaram mensagens de parabéns de todo o mundo depois que as redes de televisão dos Estados Unidos declararam no sábado (7) que Biden tinha assumido uma vantagem insuperável sobre Donald Trump na contagem quase completa da eleição de terça-feira (3).

Líderes mundiais, incluindo a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson parabenizaram Biden, mas no meio da tarde deste domingo, na Europa, ainda não havia nenhuma declaração do presidente russo Vladimir Putin.

A Rússia foi acusada de interferir nas eleições americanas de 2016 para ajudar a eleger Trump, na esperança de que ele adotasse uma posição mais branda com Moscou.

Espera-se que Biden tome uma posição mais dura. Durante a campanha, ele criticou Trump por ter "abraçado tantos autocratas ao redor do mundo, começando por Vladimir Putin".

Navalny, a principal figura da oposição da Rússia, desmaiou em um avião no final de agosto e foi levado ao hospital na Sibéria por dois dias antes de ser levado de avião para Berlim, onde testes revelaram que ele havia sido envenenado com Novichok, um agente nervoso criado por especialistas soviéticos com fins militares.

Navalny alegou que Putin foi pessoalmente responsável pelo envenenamento, enquanto o Kremlin rejeitou todas as alegações de que poderia estar envolvido.

Médico responsável é nomeado ministro

O médico responsável pelo hospital em Omsk (Sibéria) onde o opositor russo Alexei Navalny foi brevemente tratado em agosto após passar mal em um avião foi nomeado ministro regional da saúde, anunciaram as autoridades locais neste sábado (7).

Navalny ficou apenas dois dias internado no hospital de Omsk, até receber autorização para ser tratado na Alemanha, depois de muita pressão de seus familiares, de ONGs e da comunidade internacional.

O Dr. Alexander Murakhovsky foi um dos médicos russos que afirmou não ter encontrado nenhum vestígio de veneno no organismo de Alexei Navalny e que se opôs à sua transferência para Berlim.

Segundo três laboratórios europeus, cujas conclusões foram confirmadas pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAC), Navalny foi envenenado por um agente neurotóxico do grupo Novichok.

Em nota, o governo da região de Omsk garante que Murakhovski, de 49 anos, "subiu todos os degraus profissionais, conhece e entende, como médico e diretor, todos os processos que ocorrem nos serviços de saúde". Sua candidatura ao cargo de ministro regional foi aceita "pela direção do Ministério da Saúde russo", acrescenta o comunicado.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.