Acessar o conteúdo principal

Pandemia está fora de controle na Itália, alerta infectologista

Os pacientes com coronavírus nas camas na UTI do hospital 'Ospedale di Circolo', em Varese, Itália, nesta sexta-feira, 6 de novembro de 2020.
Os pacientes com coronavírus nas camas na UTI do hospital 'Ospedale di Circolo', em Varese, Itália, nesta sexta-feira, 6 de novembro de 2020. AP - Luca Bruno
Texto por: RFI
3 min

A pandemia de coronavírus está "fora de controle" em grande parte da Itália e é necessário instaurar um lockdown para deter a propagação do vírus. A opinião é do infectologista italiano Massimo Galli, um dos mais importantes do país, em entrevista concedida ao canal de TV RAI, nesta segunda-feira (9).

Publicidade

"Não restam dúvidas de que, em grande parte do país, a situação está fora de controle", disse o professor Massimo Galli, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital Sacco, de Milão. A capital da Lombardia, no norte, é a região mais afetada pela pandemia. "As outras doenças não estão de folga por causa da Covid-19, e é preciso se organizar porque, ao contrário, a pandemia acabará causando danos piores", acrescentou, ao se referir aos tratamentos suspensos por conta da emergência deflagrada pelo novo coronavírus.

Primeiro país da Europa afetado pela pandemia, em fevereiro passado, a Itália registrou mais de 41.000 mortes e cerca de 935.000 contaminações. Para conter a segunda onda da epidemia, o governo italiano decidiu dividir as 20 regiões italianas em três categorias, segundo a gravidade da situação: do amarelo (moderado), onde está em vigor um toque de recolher noturno nacional, ao vermelho, onde um lockdown relativamente rígido é aplicado.

Quatro regiões são consideradas zona vermelha e é possível que outras, em torno de seis, incluindo Vêneto, atualmente na zona laranja (intermediária), decidam mudar de cor nesta segunda feira, chegando ao mais elevado risco de contágio. 

O Executivo decidiu estabelecer um toque de recolher noturno em todo o território nacional a partir de sexta-feira (6) e confinar quatro regiões onde a situação epidemiológica é especialmente grave.

Medidas financeiras

O Colégio Nacional de Médicos italianos pede a adoção do lockdown em todo país, sem distinção por regiões, na tentativa de reduzir o elevado número de pacientes internados em unidades de terapia intensiva. Muitos hospitais temem um novo colapso, como o ocorrido em outubro. Segundo o presidente da entidade, Filippo Anelli, o lockdown é necessário porque, caso contrário, "em um mês a situação será dramática".

O governo italiano também decidiu, na madrugada deste sábado (7), aprovar novas medidas financeiras para apoiar os setores e famílias mais afetados pela pandemia de coronavírus.

O valor deste novo plano de ajuda não foi divulgado oficialmente, mas a mídia italiana especula que os recursos cheguem a € 2,5 bilhões (cerca de R$ 16 bilhões). Os fundos devem financiar automaticamente as atividades econômicas das regiões confinadas e compensar as perdas das lojas localizadas em centros comerciais, que terão de fechar nos fins de semana. O pacote também inclui um bônus de 1.000 euros para ajudar os pais nas regiões onde as escolas estão fechadas.

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.