Crise sanitária provoca queda recorde de 8,3% no PIB da França e 11% no PIB da Espanha em 2020

De acordo com uma estimativa inicial do Insee, publicada nesta sexta-feira (29), o primeiro lockdown da França resultou em graves consequências para a economia do país.
De acordo com uma estimativa inicial do Insee, publicada nesta sexta-feira (29), o primeiro lockdown da França resultou em graves consequências para a economia do país. REUTERS - ERIC GAILLARD

A França e a Espanha registraram uma recessão massiva em 2020 e quedas recordes do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 de 8,3% e 11%, respectivamente. Os números divulgados nesta sexta-feira (29) pelos dois países demonstram o impacto direto em suas economias da crise sanitária gerada pela pandemia de Covid-19.

Publicidade

Os números são inéditos desde a criação do Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee) da França, em 1946, que publicou hoje uma primeira estimativa da dinâmica da economia francesa no ano passado. No entanto, a queda do PIB francês não é tão pessimista quanto previa a instituição.

O Insee apostava em uma contração de cerca de 9% e o governo chegou prever uma queda de 11%. No entanto, a economia francesa conseguiu resistir melhor ao segundo lockdown, imposto no final de 2020, com um recuo de 1,3% no último trimestre. Ela foi penalizada sobretudo pela queda de 5,4% no consumo devido ao fechamento das lojas. 

No mesmo período, o comércio exterior e os investimentos já demonstravam sinais de recuperação; esse último com uma alta de 2,4%. Já as exportações deram um salto de 4,8%, bem mais do que as importações (+1,3%).

Segundo o balanço, as perdas foram "mais moderadas do que as constatadas no primeiro lockdown, entre março e maio de 2020". Já no último trimestre, o PIB "foi inferior de 5% em relação ao ano passado", ressalta o Insee. 

No entanto, as consequências da crise sanitárias são gritantes. Depois de registrar um crescimento de 1,5% em 2019 - um dos mais importantes da zona do euro - 2020 foi palco de uma recessão recorde para a França desde a Segunda Guerra Mundial.

A epidemia de Covid-19 levou o governo a restringir a atividade econômica para frear as contaminações, resultando em graves perdas para o país. O consumo teve uma queda de 7,1% no conjunto de 2020. Já o investimento registrou um recuo de 9,8%.

A crise sanitária também perturbou as trocas comerciais. As exportações tiveram uma queda de 16,7% enquanto as importações baixaram em 11,6%. 

Queda de 11% do PIB na Espanha 

A Espanha viu seu PIB degringolar de 11% em 2020 em relação ao ano anterior, de acordo com as primeiras estimativas publicadas nesta sexta-feira. O governo espanhol trabalhava com uma previsão de queda de 11,2%. Já o Fundo Monetário Internacional era mais pessimista e previa um recuo de 12,8%.

A economia do país foi extremamente castigada pelo lockdown rigoroso imposto entre março e abril, com duas semanas de pausa total das atividades consideradas não essenciais. Durante o verão no Hemisfério Norte, a Espanha conseguiu se recuperar, especialmente devido ao salto do setor turístico. Mas as medidas impostas para frear a segunda onda da Covid-19 voltaram a mergulhar o país na recessão.

O resultado foi mais de meio milhão de desempregados, em particular nos setores do turismo e da hotelaria. Enquanto isso, o país continua lutando contra a epidemia, contabilizando mais de 57 mil mortos e 2,7 milhões de casos de Covid-19. 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.